Irritado, Itamaraty convoca embaixador de Israel em Brasília

Governo brasileiro chama diplomata israelense para 'diálogo franco' sobre anúncio de novos assentamentos

ROBERTO SIMON, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2012 | 02h02

Para demonstrar sua irritação com o plano de expansão de assentamentos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia, anunciado na sexta-feira pelo governo de Binyamin Netanyahu, o Itamaraty convocou ontem pela manhã o embaixador de Israel em Brasília, Rafael Eldad.

A decisão de chamar à Chancelaria o diplomata israelense partiu do ministro Antonio Patriota, mas Eldad foi recebido pelo embaixador Paulo Cordeiro, subsecretário-geral para África e Oriente Médio. O encontro durou cerca de 20 minutos e o tom da conversa, segundo diplomatas dos dois lados disseram ao Estado, foi "cordial".

Israel anunciou na sexta-feira que construirá 3 mil casas em território ocupado em 1967. A decisão foi uma retaliação do governo Netanyahu ao reconhecimento da Palestina como "Estado observador" da ONU, um dia antes - Israel também congelou mais de US$ 100 milhões em repasses à Autoridade Palestina. O Brasil foi um dos copatrocinadores da resolução, que ganhou o voto de 138 países em Nova York.

Na segunda-feira, França, Grã-Bretanha, Espanha, Suécia e Dinamarca convocaram os embaixadores de Israel em suas capitais em protesto contra o anúncio das construções. Ontem, além do Brasil, Irlanda, Finlândia e Austrália chamaram à Chancelaria diplomatas de Israel.

"O secretário de Assuntos do Oriente Médio conversou com o embaixador de Israel. Faz parte da rotina, temos uma relação amistosa com Israel e agora temos também uma posição oficial contrária aos assentamentos. Nós consideramos que isso não contribui para a paz", disse Patriota sobre o encontro.

Militância. Segundo o porta-voz do Itamaraty, Tovar Nunes, o embaixador israelense foi convocado para um "diálogo franco" sobre o plano de novos assentamentos. "Nossa mensagem foi a de que esse anúncio (de Israel) não é construtivo."

Em outubro, Patriota informou a autoridades israelenses - incluindo o premiê Binyamin Netanyahu e o presidente Shimon Peres - que o Brasil "militaria" na ONU em favor da causa palestina, disse Nunes. "A posição brasileira nesse ponto é a mesma desde 1947", disse, referindo-se ao ano da Partilha da Palestina.

O lado israelense já aguardava uma reação da diplomacia brasileira e encarou a convocação de ontem com um "poderia ter sido pior". "O embaixador Cordeiro foi cordial e, assim como nós conhecemos a posição brasileira, eles conhecem a nossa", disse um funcionário israelense.

Na reunião, Cordeiro criticou a inação do Quarteto, grupo negociador formado por EUA, Rússia, União Europeia e ONU. / COLABORARAM LISANDRA PARAGUASSU e DÉBORA BERGAMASCO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.