Isaac chega aos EUA e dique contra enchentes transborda na Louisiana

Furacão tocou terra firme na Louisiana na noite desta terça-feira, com ventos de 130 km/h, 145 quilômetros ao sudoeste de New Orleans

estadão.com.br,

28 de agosto de 2012 | 21h30

Texto atualizado em 29 de agosto, às 13h26

 

NEW ORLEANS - Os temporais causados pelo furacão Isaac provocaram o transbordamento de um dique contra enchentes no sudeste do Estado norte-americano da Louisiana na madrugada desta quarta-feira, 29, ameaçando provocar graves alagamentos. Chuvas fortes devem persistir ao longo do dia e se aproximam de New Orleans.

Veja também:

linkAo menos 19 morrem no Haiti por tempestade

documento ACERVO: Há 7 anos, Katrina destruiu New Orleans

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK 

 

O furacão Isaac tocou terra firme no Estado da Louisiana na noite de ontem, com ventos a uma velocidade de 130 quilômetros por hora, na localidade de Plaquemines Parish, 145 quilômetros ao sudeste de New Orleans. A companhia elétrica Entergy informou em seu site que há mais de 409 mil clientes sem luz hoje na Louisiana e advertiu que é possível que essa quantidade aumente à medida que Isaac avança pelo interior do estado. Estradas ficaram inundadas.

Dique

De acordo com o Serviço Meteorológico Nacional, autoridades do serviço de emergência em Plaquemines Parish informaram o transbordamento do dique na margem leste de Braithwaite para White Ditch. "Isso vai resultar em alagamentos de profundidade significativa nessa área".

Veja fotos:

O Isaac está praticamente estacionado na costa da Louisiana, provocando chuvas fortes e ameaçando avançar para Nova Orleans ainda hoje, dia do aniversário de sete anos da passagem devastadora do furacão Katrina pela cidade.

Billy Nungesser, presidente do distrito Plaquemines Parish, a cerca de 90 quilômetros a sudeste de Nova Orleans, disse que os diques de 3 metros de altura não tinham rompido, mas que a água estava passando por cima. "Os diques estão transbordando em vários locais e estamos tentando tirar as poucas pessoas que ficaram para trás", disse Nungesser à CNN. Segundo ele, apesar de uma ordem de retirada da região, muitas pessoas permaneciam lá.

"As estradas estão totalmente intransponíveis e há pessoas presas. Temos uma situação séria".

Sete anos após Katrina

O Isaac chega à Louisiana na véspera do sétimo aniversário do furacão Katrina, que devastou New Orleans em agosto de 2005. A chegada dele deixou ruas desertas de New Orleans até Tampa, onde ocorreu a abertura Convenção Nacional Republicana, que sacramentou Mitt Romney como candidato à presidência dos Estados Unidos em 6 de novembro. O encontro aconteceu normalmente, com apenas uma menção à chegada da tempestade.

Embora Isaac seja um furacão de categoria bem mais fraca que o Katrina, espera-se que a tempestade teste o novo sistema bilionário de controle de inundações de New Orleans.

O sistema reforça os diques que falharam em 2005, deixando partes da cidade debaixo d'água. As previsões do Centro Nacional de Furacões mostraram a tempestade se aproximando do delta do Mississippi na noite de terça-feira, possivelmente indo diretamente para New Orleans. "Muitas partes do Estado poderão ter de 24 a 38 horas de tempestade tropical com ventos fortes", disse o governador da Louisiana, Bobby Jindal, em entrevista coletiva. "Nós vamos ver a queda de um monte de árvores e linhas de energia. Precisamos que as pessoas fiquem em lugar seguro."

Medidas

Mais cedo, o Corpo de Engenharia do Exército começou a fechar pela primeira vez a nova comporta da maior barreira contra tempestades do mundo, no Lago Borgne, a leste de New Orleans. Em outros procedimentos de preparação, empresas de energia esvaziaram plataformas de petróleo em alto mar e fecharam refinarias da Costa do Golfo, com a aproximação do Isaac.

O Centro de Furacões informou que o Isaac estava centralizado a cerca de 150 quilômetros sudeste de New Orleans, com ventos máximos sustentados de 130 quilômetros por hora. Sua velocidade de avanço estava relativamente baixa, a 13 quilômetros por hora, o que é uma preocupação para as pessoas no caminho da tempestade, uma vez que ciclones lentos podem causar chuvas mais pesadas.

Com agências de notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.