Isaac chega aos EUA e dique contra enchentes transborda na Louisiana

Furacão tocou terra firme na Louisiana na noite desta terça-feira, com ventos de 130 km/h, 145 quilômetros ao sudoeste de New Orleans

estadão.com.br,

28 de agosto de 2012 | 21h30

Texto atualizado em 29 de agosto, às 13h26

 

NEW ORLEANS - Os temporais causados pelo furacão Isaac provocaram o transbordamento de um dique contra enchentes no sudeste do Estado norte-americano da Louisiana na madrugada desta quarta-feira, 29, ameaçando provocar graves alagamentos. Chuvas fortes devem persistir ao longo do dia e se aproximam de New Orleans.

Veja também:

linkAo menos 19 morrem no Haiti por tempestade

documento ACERVO: Há 7 anos, Katrina destruiu New Orleans

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK 

 

O furacão Isaac tocou terra firme no Estado da Louisiana na noite de ontem, com ventos a uma velocidade de 130 quilômetros por hora, na localidade de Plaquemines Parish, 145 quilômetros ao sudeste de New Orleans. A companhia elétrica Entergy informou em seu site que há mais de 409 mil clientes sem luz hoje na Louisiana e advertiu que é possível que essa quantidade aumente à medida que Isaac avança pelo interior do estado. Estradas ficaram inundadas.

Dique

De acordo com o Serviço Meteorológico Nacional, autoridades do serviço de emergência em Plaquemines Parish informaram o transbordamento do dique na margem leste de Braithwaite para White Ditch. "Isso vai resultar em alagamentos de profundidade significativa nessa área".

Veja fotos:

O Isaac está praticamente estacionado na costa da Louisiana, provocando chuvas fortes e ameaçando avançar para Nova Orleans ainda hoje, dia do aniversário de sete anos da passagem devastadora do furacão Katrina pela cidade.

Billy Nungesser, presidente do distrito Plaquemines Parish, a cerca de 90 quilômetros a sudeste de Nova Orleans, disse que os diques de 3 metros de altura não tinham rompido, mas que a água estava passando por cima. "Os diques estão transbordando em vários locais e estamos tentando tirar as poucas pessoas que ficaram para trás", disse Nungesser à CNN. Segundo ele, apesar de uma ordem de retirada da região, muitas pessoas permaneciam lá.

"As estradas estão totalmente intransponíveis e há pessoas presas. Temos uma situação séria".

Sete anos após Katrina

O Isaac chega à Louisiana na véspera do sétimo aniversário do furacão Katrina, que devastou New Orleans em agosto de 2005. A chegada dele deixou ruas desertas de New Orleans até Tampa, onde ocorreu a abertura Convenção Nacional Republicana, que sacramentou Mitt Romney como candidato à presidência dos Estados Unidos em 6 de novembro. O encontro aconteceu normalmente, com apenas uma menção à chegada da tempestade.

Embora Isaac seja um furacão de categoria bem mais fraca que o Katrina, espera-se que a tempestade teste o novo sistema bilionário de controle de inundações de New Orleans.

O sistema reforça os diques que falharam em 2005, deixando partes da cidade debaixo d'água. As previsões do Centro Nacional de Furacões mostraram a tempestade se aproximando do delta do Mississippi na noite de terça-feira, possivelmente indo diretamente para New Orleans. "Muitas partes do Estado poderão ter de 24 a 38 horas de tempestade tropical com ventos fortes", disse o governador da Louisiana, Bobby Jindal, em entrevista coletiva. "Nós vamos ver a queda de um monte de árvores e linhas de energia. Precisamos que as pessoas fiquem em lugar seguro."

Medidas

Mais cedo, o Corpo de Engenharia do Exército começou a fechar pela primeira vez a nova comporta da maior barreira contra tempestades do mundo, no Lago Borgne, a leste de New Orleans. Em outros procedimentos de preparação, empresas de energia esvaziaram plataformas de petróleo em alto mar e fecharam refinarias da Costa do Golfo, com a aproximação do Isaac.

O Centro de Furacões informou que o Isaac estava centralizado a cerca de 150 quilômetros sudeste de New Orleans, com ventos máximos sustentados de 130 quilômetros por hora. Sua velocidade de avanço estava relativamente baixa, a 13 quilômetros por hora, o que é uma preocupação para as pessoas no caminho da tempestade, uma vez que ciclones lentos podem causar chuvas mais pesadas.

Com agências de notícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.