Isabelita pode ser extraditada à Argentina, diz juiz espanhol

O juiz espanhol Fernando Grande Marlaska informou nesta quinta-feira que a ex-presidente da Argentina María Estela Martínez de Perón, conhecida como Isabelita Perón, "não tem nenhum processo aberto na Espanha" e afirmou que ela pode ser extraditada para a Argentina."É preciso atender à reivindicação da Argentina por crime contra a humanidade", comentou Grande Marlaska. Ele acrescentou que a solicitação de extradição da ex-presidente argentina está sendoestudada e que "o governo espanhol vai tomar a decisão final".O juiz Juan del Olmo convocou Isabelita Perón para uma audiência na segunda-feira. Ele vai comunicar a segunda ordem de extradição expedida pela Justiça argentina contra ela nos últimos 15 dias.Segundo fontes jurídicas, Olmo, responsável pela tramitação da primeira reivindicação, optou por deixar Isabelita em liberdade, já que a promotoria não pediu a sua prisão na primeira audiência. Na ocasião, em que Isabelita se negou a ser extraditada, o juiz impôs como medidas cautelares comparecimentos quinzenais ao tribunal mais próximo da sua casa.No segundo comparecimento, a ex-presidente argentina vai ouvir as acusações formuladas pelo juiz argentino Norberto Oyarbide, por sua suposta responsabilidade em crimes da Triple A (AliançaAnticomunista Argentina), que entre 1973 e 1975 e cometeu vários assassinatos e seqüestros. Olmo voltará a perguntar se ela quer ser entregue à Justiça do seu país.O outro pedido de extradição, que motivou sua detenção na semana passada, está ligado ao processo sobre o desaparecimento do jovemHéctor Aldo Fagetti Galego, em 25 de fevereiro de 1976, um mês antes do golpe militar que derrubou o seu governo.Caso sabelita Perón queira ser extraditada, a volta para a Argentina seria imediata. Mas, se ela se negar, será preciso esperar a tramitação do expediente de extradição, o que pode se estender por meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.