Islã deve se adaptar à modernidade, sugere Blair

O premier Tony Blair disse nesta terça-feira que a Inglaterra precisa de um debate sobre a posição dos muçulmanos, mas que a fé também precisa se decidir como se adaptar à modernidade. "(O véu) é uma marca de separação, e é por isso que as pessoas de fora da comunidade se sentem desconfortáveis", disse Blair. Em sua coletiva de imprensa mensal, Blair disse apoiar a decisão de uma escola local de barrar uma mulher muçulmana de trabalhar como professora usando um véu. No entanto, Blair afirmou que esse deve ser apenas uma questão de uma discussão mais ampla sobre "a relação entre a nossa sociedade e como a comunidade muçulmana se integra com a nossa sociedade." "Há outras questões que são sobre o próprio Islã, e como o Islã se comporta com, e se sente confortável com o mundo moderno", disse Blair. Debates semelhantes, disse ele, estão acontecendo pela Europa e no mundo muçulmano. O ex-secretário do Exterior Jack Straw causou controvérsia recentemente ao revelar que ele pedia às mulheres com véu para mostrarem seus rostos ao se encontrarem com ele em seu escritório."(O véu) é uma marca de separação, e é por isso que as pessoas de fora da comunidade se sentem desconfortáveis", disse Blair. Blair reconheceu que esse é um assunto delicado, mas disse que todas as evidências mostraram que "quando as pessoas se integram mais, elas conseguem mais também. Essa é uma razão pela qual minorias que se integraram mais, acabaram fazendo melhor, conseguindo mais, progredindo mais". Blair insistiu que ele não estava dizendo que alguém deva ser forçado a fazer nada. "Tudo o que estou dizendo é que precisamos ter esse debate sobre integração".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.