Esam Al-Fetori/Reuters
Esam Al-Fetori/Reuters

Islâmicos obtêm 65% dos votos no Egito

Segundo turno, que ocorre em nove das 27 províncias do país, será realizado nesta semana

CAIRO, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2011 | 03h04

CAIRO - Os resultados oficiais da primeira fase das eleições parlamentares no Egito mostram que as listas de candidatos de partidos islâmicos tiveram 65% da preferência popular no primeiro turno da votação, na semana passada. A Irmandade Muçulmana obteve 36,6%, o partido salafista Al-Nur ficou com 24,4% e os religiosos moderados do Wasat, 4,1%.

O segundo turno, que ocorre em nove das 27 províncias do país, será realizado nesta segunda-feira, 5 e na terça-feira, 6. Segundo a Comissão Eleitoral, 9,7 milhões de votos em listas partidárias foram considerados válidos. Essa etapa da votação teve um comparecimento de 62%. Os partidos seculares não conseguiram bons resultados. O Bloco Egípcio teve 13,4% dos votos e o partido Wafd, 7,1%. A votação de hoje e amanhã definirá 50 deputados entre 100 candidatos individuais. As outras duas fases da eleição, entre 14 e 22 de dezembro e 3 e 11 de janeiro, ocorrerão em 18 províncias.

A nova Assembleia, que ao todo terá 498 representantes, terá a tarefa de designar os 100 responsáveis por escrever a nova Constituição do país. A junta militar que governa o Egito desde a queda de Hosni Mubarak, em fevereiro, no entanto, deu indícios de que pode indicar 80 desses deputados constituintes.

Protestos. O resultado deve acirrar a disputa entre militares e manifestantes que foram às ruas contra a ditadura. "Será o conflito pela alma do Egito", disse o analista Nabil Abdel-Fattah, do Centro de Estudos Políticos e Estratégicos Al-Ahram. "O novo Parlamento será transitório, mas com perfil conservador."

A dianteira dos moderados da Irmandade Muçulmana e dos radicais salafistas - que defendem a instituição da sharia, a lei islâmica, no Egito -preocupa líderes seculares e o Exército, além dos aliados ocidentais. Na semana que antecedeu a votação, milhares de pessoas tomaram a Praça Tahrir, no centro do Cairo, para pedir que os militares entreguem o poder para os civis.

Ainda não está claro, no entanto, se o Partido Justiça e Liberdade, o braço político da Irmandade Muçulmana, formaria um governo com os salafistas ou com os seculares. O porta-voz do Al-Nur, Nader Bakkar, disse que a negociação de uma coalizão entre salafistas e a Irmandade é prematura.

Os vencedores do primeiro turno da eleição se limitaram a pedir que os resultados sejam validados. "Pedimos a todos que defendem a democracia que respeitem a vontade popular e aceitem a escolha do povo", disse o Al-Nur em comunicado. "Quem não teve sucesso deve trabalhar duro para servir os egípcios em outra oportunidade."

Reação. O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, pediu que os acordos de paz assinados com Israel continuem sendo respeitados. "Esperamos que qualquer governo que assuma o Egito reconheça a importância de manter o tratado de paz com Israel como base para uma segurança regional e para estabilidade econômica da região", declarou o primeiro-ministro. / AP e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoeleiçõesislâmicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.