Islâmicos prometem fazer novos protestos no Egito hoje

Simpatizantes islâmicos do presidente egípcio deposto Mohammed Morsi prometem desafiar o estado de emergência declarado no país com novas manifestações neste sábado, 17, um dia depois de marchas no Cairo gerarem as mais violentas batalhas de rua que a capital egípcia já testemunhou em mais de dois anos.

Agência Estado

17 de agosto de 2013 | 09h21

Mais de 80 pessoas foram mortas na sexta-feira, 16, no que a Irmandade Muçulmana descreveu como "Dia de Fúria", provocado pela revolta de manifestantes com as forças de segurança egípcias, que há poucos dias empregaram violência para desfazer dois acampamentos de protesto, num enfrentamento que deixou centenas de mortos.

No amanhecer deste sábado, 17, no Cairo, forças de segurança enfrentavam um impasse com partidários de Morsi. Centenas de pessoas se refugiaram durante a madrugada na mesquita Al-Fatah e empilharam móveis na porta de entrada para evitar uma invasão policial. Após negociações, pequenos grupos deixaram a mesquita no final da manhã (pelo horário egípcio), mas acredita-se que a maioria dos manifestantes continue no local. A mesquita, localizada na Praça Ramsés, palco de alguns dos confrontos mais violentos de ontem, está sendo usada como hospital e necrotério provisórios.

Pelo menos 72 civis e dez policiais morreram nos enfrentamentos da sexta-feira, 16. Na semana, o número de mortos em todo o Egito ultrapassou 700. O total já é superior ao número de mortes causadas ao longo de vários protestos realizados desde a queda do ex-ditador Hosni Mubarak, há dois anos e meio, até a deposição de Morsi, que pertence à Irmandade Muçulmana, em 3 de julho.

Segundo a página na internet da Irmandade, Ammar, filho do líder espiritual do grupo, Mohammed Badei, foi morto nos conflitos de ontem. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.