Islandeses vão às urnas amanhã em eleição antecipada

Os islandeses votam em eleições parlamentares antecipadas amanhã. A expectativa é de perda de espaço dos legisladores que atuaram no período em que o pequeno país nórdico ao colapso financeiro, no ano passado. A eleição foi convocada por um governo interino de centro-esquerda, que assumiu em fevereiro, após muitos protestos pela grande exposição da Islândia à crise de crédito. As dificuldades econômicas levaram à queda do conservador Partido Independência.

AE-AP, Agencia Estado

24 de abril de 2009 | 11h25

Com o sistema bancário em maus lençóis e a dívida nacional explodindo, os eleitores devem endossar os partidos do governo interino, uma aliança entre os Social-Democratas e a Esquerda-Verde, liderada pela primeira-ministra Johanna Sigurdardottir. Com isso, essa coalizão de minoria deve se tornar majoritária no Parlamento. A crise financeira global atingiu duramente a ilha de 320 mil habitantes. Após fazer grandes dívidas, durante anos de economia sem regulação e rápida expansão, os três principais bancos do país faliram em um período de uma semana, em outubro.

O governo conseguiu um empréstimo de US$ 10 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI). O desemprego e a inflação cresceram muito e o FMI previu que a economia se contrairá aproximadamente 10% em 2009, a maior queda desde a independência completa do país da Dinamarca, em 1944. Uma pesquisa Gallup divulgada hoje mostra a aliança social-democrata liderando com 29%, seguida pelo movimento Esquerda-Verde com 27%. O Partido Independência ficaria com 23,6%, e o Partido Progressista, com 12%. Um novo partido, surgido em meio ao descontentamento dos cidadãos com o colapso bancário, o Movimento Cidadãos, tinha 6,5%. Não foi informada a margem de erro da pesquisa.

Tudo o que sabemos sobre:
IslândiaeleiçõesParlamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.