Islândia na vanguarda do feminismo
, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2010 | 00h00

A Islândia aprovou uma lei que declara ilegais e manda fechar todos os clubes que obtenham lucro com a nudez de suas empregadas, sejam dançarinas ou garçonetes. A medida não tem razões religiosas ou climáticas. Trata-se de uma tentativa inédita de acabar com a exploração sexual das mulheres. A Islândia, com 320 mil habitantes, ocupa a quarta posição no ranking mundial da igualdade de gêneros, atrás de Noruega, Finlândia e Suécia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.