Isolado, regime sírio usa Arábia Saudita como bode expiatório

A Arábia Saudita, com apoio de aliados no Líbano, está armando opositores sunitas da cidade de Hama, onde foram registrados os mais violentos protestos na Síria, e de outras partes do país árabe. Esta é a acusação que os defensores do regime sírio começaram a fazer e, com a decisão de Riad de retirar seu embaixador de Damasco, o bode expiatório saudita deve ganhar ainda mais força na retórica da ditadura de Bashar Assad.

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2011 | 00h00

Segundo o discurso oficial, sauditas e seus parceiros anti-Síria de Beirute aproveitaram a onda de levantes árabes e usaram Hama, não muito distante da fronteira libanesa e com uma população religiosa sunita, para provocar a instabilidade do regime Assad.

As acusações são rejeitadas por Riad e por sunitas de Beirute. Anthony Shadid, correspondente do New York Times no Líbano, esteve em Hama e disse que os manifestantes estão saindo às ruas totalmente desarmados.

Já em Damasco, nas TVs locais, diferentemente do que ocorre em outras partes do mundo, as imagens são de soldados e policiais mortos. Manifestantes não aparecem, a não ser em atos pró-regime. Também são exibidas cenas de cristãos e alauitas desmembrados e jogados no Rio Orontes, em Hama, em uma suposta ação de "terroristas armados". O regime sírio diz que o conflito seria entre "seculares", como Assad, e extremistas islâmicos de Hama, que pretendem "transformar a Síria em uma Arábia Saudita".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.