AFP PHOTO / Martin BUREAU
AFP PHOTO / Martin BUREAU

Isolados, brasileiros pedem socorro e criticam o governo

Itamaraty anunciou na noite deste domingo que enviará um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para resgatar seus cidadãos afetados pela passagem do furacão Irma no Caribe; ao menos 60 brasileiros estão nas três ilhas mais afetadas pelo fenômeno

Lígia Formenti / Brasília, O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2017 | 22h03

BRASÍLIA - O governo brasileiro foi bastante criticado ontem nas redes sociais após cidadãos do País ficarem sem água, comida e sem resgate em meio aos estragos causados pelo furacão Irma no Caribe. Pelo Twitter, muitos reclamaram da ação lenta do Itamaraty, enquanto outros governos, incluindo o da Venezuela, já haviam retirado seus cidadãos das ilhas mais afetadas.

No fim do dia, o governo brasileiros informou que enviará um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para resgatar seus cidadãos. A expectativa é de que o voo saia na terça-feira, quando as condições climáticas na região devem melhorar. 

Em nota, o Itamaraty informou ontem que monitora 60 brasileiros nas três ilhas mais afetadas pela passagem do Irma. A maior parte está concentrada no lado holandês da ilha de Saint Martin. Há ainda registros de pessoas em Tortola e em Turks e Caicos.

Um núcleo de atendimento emergencial na área consular do Itamaraty  foi montado em Brasília. Foi formada ainda uma rede de comunicação em tempo real com postos da rede consular diretamente responsáveis. A informação do Ministério das Relações Exteriores é de que brasileiros que se encontravam em algumas das regiões atingidas pelo furacão já receberam apoio e foram retirados dos locais atingidos, graças à cooperação dos governos da França, Países Baixos e Reino Unido. 

O Itamaraty também anunciou que mantém um entendimento com o Reino Unido para retirar brasileiros que se encontram em territórios britânicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.