Niha Masih / THE WASHINGTON POST
Niha Masih / THE WASHINGTON POST

Isolamento e bloqueios por causa do coronavírus geram êxodo histórico dentro da Índia

Sem transporte e emprego nas grandes cidades, trabalhadores pobres caminham mais de 900 km para seus vilarejos

The Washington Post, Nova Délhi

28 de março de 2020 | 09h56

NOVA DÉLHI - Por causa da pandemia e do bloqueio dos transportes públicos, indianos estão partindo a pé das grandes cidades rumo a vilarejos a centenas de quilômetros de distância, em um exôdo histórico no país.

Chandra Mohan, um encanador de 24 anos que mora em um subúrbio de Nova Délhi, é um deles. Ele saiu às 3 horas da manhã de sexta-feira. Antes do almoço,  ele já caminhara  45 quilômetros, com uma bolsa nas costas e outra pendurada no peito. Ele ainda tinha mais de 950 quilômetros para chegar a sua casa, no Estado de Bihar.

Não há aviões, trens, ônibus interestaduais e táxis. Mohan caminhou para o leste com 17 outros jovens, todos trabalhadores como ele. Eles não tinham certeza da sua rota ou de onde iriam dormir ou como comeriam, mas uma coisa era certa: sem trabalho, eles não podem sobreviver na cidade grande.

"Estamos condenados", disse Mohan. "Se não morrermos da doença, morreremos de fome."

A Índia iniciou um bloqueio nacional de 21 dias - o maior do mundo - em uma tentativa desesperada de impedir que o coronavírus se espalhe e fique fora de controle em uma  nação densamente povoada de mais de 1,3 bilhão de pessoas. Hoje, existem mais de 700 casos confirmados  na Índia , um número que está aumentando rapidamente. 

Empresas não essenciais não funcionam, as fronteiras estaduais estão fechadas ao tráfego regular e as pessoas foram instadas pelo governo a ficar em suas casas, exceto para comprar alimentos ou remédios.

A suspensão dos trens de passageiros, a espinha dorsal do sistema de transporte da Índia, foi anunciada no domingo, 22, com efeito quase imediato. Na terça-feira, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, declarou o bloqueio para toda a Índia.

Três dias depois, os indianos estavam se adaptando a uma realidade completamente diferente. Os relatos de assédio generalizado dos cidadãos pela polícia haviam diminuído, mesmo com os gargalos persistindo na distribuição de bens essenciais em algumas partes do país.

A velocidade da paralisação dos transportes fez com que dezenas de milhões de migrantes internos da Índia não tivessem tempo para voltar para casa. As cidades indianas contam com uma vasta força de trabalho formada pelo restante do país, trabalhadores que se deslocam em busca de oportunidades e geralmente deixam suas famílias para trás por meses ou anos. Eles estão na construção, dirigem táxis, são funcionários de restaurantes e só voltam para casa uma vez ao ano.

Para esses trabalhadores migrantes, que geralmente trabalham em empregos precários e mal remunerados, as medidas de isolamento são um golpe duplo. O choque econômico evaporou renda deles, enquanto as restrições de transporte eliminaram seus caminhos normais para casa.

O resultado foi um êxodo  milhares de pessoas.  Não se tem ideia de quantos hoje estão nos grupos que deixam a capital. Alguns conseguiram pegar carona em caminhões ou embarcar em ônibus particulares lotados.

A última vez que tantas pessoas viajaram longas distâncias a pé foi em 1947, durante a sangrenta divisão do subcontinente indiano, disse Chinmay Tumbe, autor de um livro recente sobre migração na Índia. Quando a Índia se tornou independente e o Paquistão foi criado, milhões de pessoas fugiram para o outro lado das novas fronteiras. "Mesmo assim, tínhamos opções de transporte", disse Tumbe. "Havia trens circulando."

Já existem sinais de que os trabalhadores estão recorrendo a contrabandistas na esperança de chegar em casa. As autoridades encontraram centenas de pessoas amontoadas em caminhões e acreditam que centenas de outras se esconderam dentro de um vagão vazio para se deslocar de um extremo ao outro do país, de acordo com uma reportagem da mídia local .

Rajiv Khandelwal é diretor-executivo do Aajeevika Bureau, uma organização com sede em Rajasthan focada em trabalhadores migrantes. Seu grupo recebeu "uma avalanche" de pedidos de socorro nos últimos dias, disse ele. Muitos chamadores ficam presos nas fronteiras do estado, incapazes de atravessar e ficar sem comida depois de perderem o emprego.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

"Todo mundo tem o direito de ir para casa quando tanto medo e frenesi foram criados", disse Khandelwal. "Isso não é maneira de condenar as pessoas cujo trabalho duro essas cidades prosperam."

Na pressa de instituir um bloqueio nacional, a Índia não ofereceu ajuda formal aos migrantes pobres. Isso contrasta fortemente com o tratamento dado aos cidadãos presos no exterior por causa da pandemia: o governo organizou voos especiais para levar indianos da China, Irã e Itália.

Arjun Kumar, de 20 anos, e seus quatro primos vieram a Nova Délhi para trabalhar no ano passado, ganhando US$ 4,50 por dia em obras. Mas não há trabalho há dias. Sua casa fica a mais de 800 km de distância em Basti, um distrito no Estado de Uttar Pradesh. Na sexta-feira, eles caminharam para o leste sob uma garoa leve em estradas vazias de tráfego.

Kumar carregava uma bolsa roxa impressa com ursinhos de pelúcia e instou o grupo a seguir em frente. Pelo menos na aldeia, eles não vão morrer de fome, disse ele. "Aqui na cidade, quem vai nos alimentar?"

A maioria dos caminhantes é formada por homens, muitos deles jovens, mas também existem algumas famílias. Payal Kumar, 19 anos, estava sentado na beira de uma calçada na sexta-feira, usando um cachecol como uma máscara improvisada. Ela estava descalça, seu único par de sandálias havia quebrado enquanto ela caminhava. A água do seu grupo havia acabado, ela estava cansada e não tinha ideia de quanto tempo levaria para chegar à casa deles, a 240 quilômetros de distância.

Kumar estava andando com a irmã Divya e os sogros da irmã. Um deles, Anar Singh, de 35 anos, trabalha como parte da equipe de limpeza de um hotel Radisson. Seu empregador disse para ele parar de trabalhar nove dias atrás, quando o hotel fechou. Ele diz que ainda não recebeu seu salário para o mês. Ele tinha cerca de US$ 5.

O grupo carregava sacolas contendo algumas peças de roupa e alguns pães para comer. Eles esperavam poder se abrigar em uma loja ou mercado à noite. "Por enquanto, temos que continuar caminhando", disse Singh.

Perto de uma das estações de ônibus de longa distância de Délhi, os migrantes convergiram na vã esperança de que algum transporte pudesse estar disponível. No meio da manhã, eles somavam centenas. Policiais empunhados começaram a conduzi-los pela estrada.

Um policial parou um grupo de migrantes e usou um alto-falante para fazer um anúncio. "Você precisa manter uma distância de pelo menos um metro um do outro", disse ele. A multidão cansada obedientemente se afastou um pouco. Um bom samaritano parou e ofereceu biscoitos e chá na traseira de uma motocicleta.

Rajesh Mishra, de 30 anos, pintor que caminhava há quatro horas, ouviu o discurso do policial. Sua casa fica a 800 quilômetros de distância, na cidade de Gorakhpur. "Estamos presos", disse ele. "Ou ficamos e morremos, ou caminhamos e podemos morrer também."  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.