Isolamento provoca migração em massa e instabilidade social na Índia

Isolamento provoca migração em massa e instabilidade social na Índia

Sem trabalho, milhões de indianos tentam sair das grandes de cidades de volta para casa, piorando a disseminação do coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 05h00

NOVA DÉLHI – No dia 25 de março, 1,3 bilhão de indianos entraram em quarentena por 21 dias decretada pelo primeiro-ministro, Narendra Modi, para conter a pandemia de coronavírus. Subitamente sem trabalho, 45 milhões de pessoas começaram uma migração em massa das grandes cidades de volta para casa. Foi um desastre.

No domingo, 29, Modi pediu desculpas pela falta de planejamento. "Peço desculpas por ter tomado essas medidas duras, que causaram dificuldades em suas vidas, especialmente para as pessoas mais pobres", disse o premiê.

O problema do isolamento total decretado por Modi foi um efeito em cascata que começou com as empresas e o comércio fechando as portas nas principais cidades de todo o país. Um grande número de indianos – muitos dos quais moravam e comiam onde trabalhavam -- subitamente ficaram sem casa e comida. Sem saída, eles partiram – a maioria a pé. 

Em Nova Délhi, famílias inteiras guardaram panelas, frigideiras e cobertores em mochilas, colocaram as crianças nos ombros, e começaram a caminhar pelas rodovias interestaduais. Alguns se dispuseram a andar centenas de quilômetros até os vilarejos de onde vieram. Mas, quando chegaram na saída da capital, foram espancados pela polícia, que aplicava o decreto de Modi.

“Nas ruas, a gente tem medo da doença. Mas tenho mais medo da fome”, disse Papu, de 32 anos, que chegou a Nova Délhi há três semanas para trabalhar e agora tenta voltar para casa, em Saharanpur, no Estado de Uttar Pradesh, a 250 quilômetros de distância.

Enquanto dezenas de países trancam seus habitantes para conter a propagação do vírus, na Índia, muitos temem que as medidas provoquem agitação social. Milhões de pessoas vivem em favelas e ficar em casa por três semanas – como pediu Modi – é uma perspectiva assustadora.

Os trabalhadores têm protestado contra o isolamento. No sábado, milhares de pessoas saíram às ruas no Estado de Kerala, dizendo que não comiam há dias. A polícia pediu que a multidão se dispersasse, mas foi ignorada. No domingo, o governo de Uttar Pradesh fretou 1.000 ônibus para levar pessoas para casa. Em Nova Délhi, milhares fizeram fila para tentar embarcar, mas não conseguiram. A Índia registrou mais de 1,2 mil casos de coronavírus e 32 mortes. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Índia [Ásia]vírusquarentena

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.