Israel acusa Ban Ki-moon de 'sabotar' esforços contra programa nuclear iraniano

Ministro israelense condena participação de secretário geral da ONU em reunião de cúpula em Teerã.

Guila Flint, BBC

30 de agosto de 2012 | 12h51

A presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na Cúpula dos Países Não Alinhados na capital do Irã provocou controvérsia em Israel, que discute um possível ataque preventivo contra as instalações nucleares da república islâmica.

O vice-ministro das Relações Exteriores, Danny Ayalon, alinhado a setores mais conservadores de Israel, acusou Ban Ki-moon de "sabotar os esforços críticos contra a atividade nuclear ilegal" do Irã, ao participar da cúpula.

Para o vice-chanceler israelense, Ban Ki-moon "não devia ter ido à conferência em Teerã e poderia ter enviado suas mensagens por intermédio de uma carta de Nova York".

O secretário-geral da ONU afirmou que sua viagem ao Irã é uma oportunidade para enviar uma "mensagem enérgica" aos iranianos.

Durante a conferência Moon condenou em termos duros as declarações de líderes iranianos contra a existência de Israel e pela negação do Holocausto.

"Quem alega que outro membro das Nações Unidas não tem direito de existir e aqueles que o descrevem em termos racistas estão inteiramente errados e violam os princípios básicos que todos nós apoiamos", disse Moon.

Síria e Egito

A conferência em Teerã também está sendo palco de uma tensão crescente entre a Síria e o Egito.

O presidente do Egito, Mohamed Mursi, que faz uma visita histórica ao Irã depois de mais de três décadas nas quais nenhum chefe de Estado egípcio esteve no país, condenou os massacres de civis cometidos pelo governo de Bashar Al-Assad.

Mursi declarou que manifestar solidariedade com o povo sírio é um "dever moral" e defendeu a intervenção na Síria para acabar com o derramamento de sangue.

A delegação síria se retirou do recinto da conferência em protesto contra as declarações do presidente egípcio.

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid Muallem, acusou o presidente egípcio de interferir em "assuntos internos" sírios.

A conferência em Teerã, que começa nesta quinta-feira, conta com a participação de 120 países membros do bloco dos não alinhados e também do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

O Brasil participa da reunião de cúpula como observador e está sendo representado pela embaixadora Regina Dunlop.

Nesta conferência o Egito irá transferir ao Irã a presidência rotativa do bloco dos países não alinhados. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.