Israel admite estar negociando troca de prisioneiros

O Governo de Israel admite que está negociando, através de intermediários, uma troca de prisioneiros palestinos e libaneses por três de seus soldados mantidos reféns, dois no Líbano e um na Faixa de Gaza.Representante do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, para a negociação da libertação dos soldados, Ofer Dekel, ex-subchefe dos Serviços Secretos (Mossad), viajou com esse propósito ao Egito e à Alemanha.Cem mil pessoas, entre estas milhares de reservistas das Forças Armadas, se concentraram esta semana na praça Yitzhak Rabin, em Tel Aviv, para exigir que o Governo "faça tudo" para libertar os soldados.Os reféns são Gilad Shalit, capturado em 25 de junho por comandos palestinos de Gaza de uma base militar israelense, e Ehud Goldwasser e Eldad Regev, seqüestrados por milicianos libaneses do Hezbollah quando patrulhavam perto da fronteira com o Líbano.Fontes do Governo confirmaram ao jornal a existência de contatos diplomáticos para obter sua libertação. No caso de Shalit, de 20 anos, o mediador é o Egito. O soldado seria trocado por 800 de 8.000 "presos de segurança" palestinos detidos em prisões de Israel.Os palestinos seriam libertados em três rodízios de 300, 300 e 200 prisioneiros até o fim de ano, segundo a proposta de representantes do chefe dos Serviços de Segurança do Egito, general Omar Suleiman.O jornal acrescenta que Israel não tem intenção de libertar o deputado Marwan Barghouthi, um dos dirigentes políticos mais respeitados pelos palestinos, condenado à prisão perpétua por sua participação intelectual no assassinato de cinco israelenses por milicianos do Fatah.No caso dos soldados seqüestrados pelo Hezbollah, as autoridades deIsrael não libertarão Sami Kundar, que há 27 anos se infiltrou nopaís pela Galiléia, onde assassinou uma família israelense.O escritório do primeiro-ministro não desmentiu as informações do jornal, mas disse que "não espera grandes novidades em breve". Israel e Egito mantêm seus contatos em segredo.Segundo o "Yedioth Ahronoth", Shalit e os primeiros prisioneiros palestinos serão colocados em liberdade até o fim de setembro, quando os judeus celebram o ano novo 5.767 e os palestinos muçulmanos comemoram o Aid-Al-Fitr, ao término do Ramadã. No caso de Goldwasser e Regev, Israel pode libertar trinta prisioneiros libaneses e entregar os corpos de milicianos do Hezbollah que mantém em seu poder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.