AP
AP

Israel admite que matou vice de Arafat em 1988

Há muito tempo o país é suspeito da morte, mas só agora o censor militar permitiu a divulgação da informação

AE, Agência Estado

01 de novembro de 2012 | 13h26

TEL-AVIV - Após quase 25 anos de segredo, Israel admitiu nesta quinta-feira, 1, que matou o vice do líder palestino Yasser Arafat em 1988, em uma operação em Túnis, capital da Tunísia. Há muito tempo o país é suspeito de ter assassinado Khalil al-Wazir, mais conhecido por seu nome de guerra, Abu Jihad.

No entando, somente hoje o censor militar permitiu que o jornal Yediot Ahronot publicasse a informação, incluindo uma entrevista com o soldado que matou Jihad. Dezenas de operações ousadas e polêmicas foram atribuídas a Israel ao longo dos anos, mas o país raramente assume a responsabilidade.

O reconhecimento da missão contra Jihad oferece um raro vislumbre das operações secretas do Estado judeu. Abu Jihad fundou a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) com Arafat e foi responsabilizado por vários ataques contra israelenses.

Com AP

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelYasser ArafatAbu Jihad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.