Herwig Prammer/Reuters
Herwig Prammer/Reuters

Israel adverte sobre efeitos da Primavera Árabe

'Não pretendemos controlar nem prever os eventos, focamos apenas na nossa segurança', disse ministro da Defesa

PATRÍCIA BRAGA, Agência Estado

11 Dezembro 2011 | 17h15

 

VIENA - O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, advertiu neste domingo, 11, sobre os efeitos potencialmente erráticos de curto e médio prazos das mudanças políticas ocorridas no mundo árabe, mas sugeriu que no longo prazo as revoltas sociais podem beneficiar toda a região.

 

Veja também:

tabela HOTSITE: Um ano de Primavera Árabe

 

"No longo prazo, a Primavera Árabe será extremamente importante", afirmou Barak durante um painel de discussões na Conferência de Política Mundial. "Entretanto, no curto e médio prazos o resultado será totalmente imponderável", afirmou ele.

 

A reunião desde final de semana contou com a participação de cerca de 150 líderes políticos e empresários do Oriente Médio e outras partes.

 

"Corremos o risco provável de a Irmandade Islâmica tomar conta de todas as sociedades, o que seria perturbador", afirmou Barak. Muitos observadores da região temem que esses grupos políticos possam reforçar o radicalismo islâmico em muitas das sociedades árabes, o que minaria os esforços em prol da democratização da região. "Não pretendemos controlar e nem prever os eventos, estamos apenas focados na nossa segurança", alegou Barak.

 

O ministro disse que Israel não tem planos de intervir na Síria, mas afirmou que a destituição do atual regime seria uma "bênção para o Oriente Médio".

 

As informações são da Dow Jones

Mais conteúdo sobre:
IsraelConferência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.