Israel afirma ter evitado ataque à embaixada dos EUA

O serviço de segurança interna de Israel afirma ter frustrado um plano da rede extremista Al-Qaeda para atacar a embaixada dos Estado Unidos em Tel-Aviv, além de outros alvos pelo país. O Shin Bet informou ter prendido três palestinos, dois de Jerusalém e um da Cisjordânia, supostamente envolvidos em um plano para executar atentados, ações armadas, sequestros e outros ataques.

AE, Agência Estado

22 de janeiro de 2014 | 18h17

Ainda segundo a agência, os palestinos planejavam atacar uma conferência em Jerusalém com armas de fogo e, em seguida, matar as equipes de resgate com um caminhão bomba. A Al-Qaeda também teria planejado enviar militantes estrangeiros para atacar a embaixada norte-americana em Israel no mesmo dia, utilizando explosivos fornecidos pelos palestinos.

Cinco homens cujas identidades e nacionalidades não foram divulgadas tentaram embarcar para Israel com passaportes russos falsos. A agência de segurança não deixou claro onde os suspeitos se encontram. Segundo analistas, essa é a primeira vez que se tem notícia que a Al-Qaeda esteve diretamente envolvida no planejamento de um ataque em Israel. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelAl-QaedaembaixadaEUATel-Aviv

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.