Reuters
Reuters

Israel ameaça anular acordos de paz e desmantelar a ANP

Presidente da Autoridade Nacional Palestina vai pedir reconhecimento do território como Estado observador na ONU

AE, Agência Estado

14 Novembro 2012 | 15h45

TEL-AVIV - Um documento do ministério de Relações Exteriores de Israel afirmou que o país instruiu seus diplomatas a alertarem outros governos de que os acordos históricos de paz de 1993 (Oslo) no Oriente Médio podem ser anulados se os palestinos buscarem reconhecimento internacional, como Estado observador não membro, na Organização das Nações Unidas (ONU) este mês. O Ministério ameaçou "derrubar" o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e desmantelar a ANP nos territórios ocupados.

"Derrubar o regime de Abu Mazen (Abbas) seria a única opção nesse caso", aponta um documento interno do Ministério obtido pela agência France Presse (AFP), o qual deverá ser endossado pelo ministro Avigdor Lieberman. A probabilidade da Palestina ser aceita é grande, uma vez que o pedido de adesão será feito à Assembleia-Geral da ONU e não deve passar pelo Conselho de Segurança, onde poderia ser vetado pelos Estados Unidos.

No dia 5 deste mês, o Canal 10 de Israel noticiou que Lieberman apoiou o desmantelamento da ANP, em comentários feitos durante uma conversa com a chefe de política exterior da União Europeia, Catherine Ashton. "Se os palestinos perseguirem seu objetivo na ONU, eles definitivamente estão destruindo as chances de negociações de paz. Se eles persistirem nesse projeto, eu vou garantir o colapso da ANP", disse Lieberman.

Um funcionário da chancelaria de Israel disse, sob anonimato, nesta quarta-feira, 14, à AFP, que o país considera mesmo anular parcial ou totalmente os Acordos de Oslo de 1993, em resposta ao pedido palestino de adesão à ONU. "A alegação é que o pedido palestino à ONU é uma brecha fundamental nos Acordos e que isso os anula. Se eles forem anulados, não estaremos mais comprometidos ao pacto."

Segundo uma lista de pontos diplomáticos obtida pela Associated Press nesta quarta-feira, a decisão de elevar o status da Palestina ao posto de Estado não-membro da ONU "daria a Israel o direito de reconsiderar e anular" os acordos de 1993 com os palestinos. O documento alerta para "graves consequências", incluindo "respostas unilaterais israelenses" não especificadas.

Abbas, frustrado com os anos de impasse nos esforços para a paz, disse que irá recorrer à ONU no dia 29 de novembro. Os Estados Unidos e Israel afirmam que os palestinos só poderão conquistar a independência por meio de negociações.

Com AP e Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.