Israel ameaça voltar com ofensiva no Oriente Médio

O governo de Israel disse ao enviado especial norte-americano, Anthony Zinni, que não irá suportar muito tempo se os palestinos continuarem os atentados contra alvos em Israel. O comunicado foi feito ma madrugada desta sexta-feira depois de uma reunião de emergência do Conselho de Ministros realizada na última hora de quinta-feira, em Tel Aviv. A reunião foi convocada após a morte de três israelenses em um novo atentado suicida palestino, o segundo em menos de 48 horas, desta vez em Jerusalém.O governo israelense responsabilizou o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, pela nova onda de ataques suicidas em Israel e de sabotar os esforços de Zinni pela entendimento entre as duas nações. "Arafat é responsável por todos os assassinatos cometidos até agora, pois não fez nada para conter o terrorismo", disse a nota distribuída pelo Conselho. O comunicado diz ainda que "Israel não pode continuar seus esforços unilaterais para a implantação do Plano Tennet".Com o novo atentado, Israel cancelou a reunião dos chefes militares prevista para está noite, onde israelenses e palestinos iriam discutir os últimos pontos sobre um cessar-fogo e a aplicação do Plano Tennet, junto com o enviado americano. A ANP condenou o ataque, reivindicado pelas Brigadas de Al Aksa, e Arafat disse que fará o possível para deter a onda de violência e prender os responsáveis. A ultradireita israelense aproveitou o atentado para pressionar o primeiro-ministro Ariel Sharon a declarar estado de emergência e convocar imediatamente todos os militares da reserva . Avigdor Liberman, líder do partido ultranacionalista União Ncional-Israel Betune e que até a semana passado era ministro de infra-estruturas, disse que Sharon deve declarar guerra contra a ANP. "O objetivo da guerra é atacar todos os terroristas e seus dirigentes", disse Liberman. Depois dos últimos atentados suicidas, todas as forças ao redor da chamada linha verde, que separa Israel da Cisjordânia, estão em estado de alerta máximo.Ramallah: O enviado Anthony Zinni e Yasser Arafat irão se reunir na manhã desta sexta-feira em Ramallah, informou jornalistas da agência internacional AFP.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.