Israel anuncia auxílio de US$ 11 milhões a palestinos

O governo de Israel anunciou que irá liberar o equivalente a US$ 11 milhões (R$ 24 milhões) em auxílio à população palestina. A quantia visa amenizar os efeitos da crise gerada pelo boicote imposto pelo governo israelense ao governo palestino, comandado pela organização islâmica Hamas. Do valor, US$ 6 milhões se referem a impostos cobrados sobre palestinos, que haviam sido retidos por Israel. De acordo com Israel, o dinheiro será investido na compra de medicamentos. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, falou sobre a medida após se encontrar com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, neste domingo, em Sharm el-Sheikh, no Egito.Foi o primeiro encontro realizado neste ano entre uma alta autoridade israelense e uma liderança palestina. Livni disse que "há uma necessidade de deslegitimar o governo do Hamas, que é uma organização terrorista". Israel decidiu suspender a ajuda ao governo palestino após o Hamas ter chegado ao poder e mantido sua recusa em reconhecer Israel e abdicar de ataques contra alvos israelenses.Mas o ministro acrescentou que, "por outro lado, nós queremos ajudar à população palestina. A política do governo israelense é a de não punir o povo palestino por seu voto".De acordo com Livni, a discussão sobre melhores formas de auxiliar a população palestina foi um dos temas que norteou a discussão com Abbas.Os territórios palestinos enfrentam escassez de recursos e vivem choques cada vez mais violentos e freqüentes entre representantes do Hamas e da organização Fatah, à qual pertence Abbas.No sábado, houve ume tentativa de assassinato contra o chefe do serviço de Inteligência palestino em Gaza. Abbas quer tentar persuadir os israelenses a restabelecer a contribuição financeira e de mantimentos aos palestinos para melhorar a situação dos moradores da região. Ao mesmo tempo, ele quer convencer Israel a passar ao largo do governo comandado pelo Hamas e reabrir negociações de paz diretamente com ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.