Israel anuncia ter desarticulado célula do Hamas

As forças de segurança israelenses anunciaram hoje ter desarticulado a célula do grupo islâmico Hamas responsável pelo atentado do dia 31 na Universidade Hebraica, em Jerusalém, no qual morreram nove pessoas. O pintor de paredes palestino Mohammed Oudeh, árabe israelense residente na parte oriental da cidade - a porção árabe ocupada por Israel em 1967 -, é acusado de ter colocado a bomba na cantina. Ele e outros quatro membros da célula estão presos.Segundo a polícia, ele escolheu o local porque sabia que o ponto era freqüentado por poucos árabes e por vários estudantes estrangeiros. Dos mortos, cinco eram americanos.A célula integrada por Oudeh e outros árabes de Jerusalém Oriental e dos territórios ocupados é responsabilizada por ataques que mataram 35 pessoas nos últimos meses, incluindo dois atentados suicidas - em um café de Jerusalém (11 mortos) e num subúrbio de Tel-Aviv (15 mortos).DemoliçãoUm palestino de 24 anos morreu hoje ao ser atingido por destroços de dois prédios demolidos pelas tropas israelenses no campo de refugiados de Khan Yunis, na Faixa de Gaza. O Exército alegou que o objetivo é evitar que militantes usem o local para efetuar disparos contra colônias judaicas vizinhas. A explosão danificou oito casas, deixando cerca de cem pessoas sem teto, disseram autoridades locais.Perto de Rafah, no sul do território, soldados derrubaram a casa da família de um ativista acusado de ter matado um colono judeu em maio.Altos funcionários da Autoridade Palestina e de Israel comprometeram-se hoje a dar prosseguimento ao acordo, firmado domingo, para a retirada israelense de cidades palestinas, nas quais os palestinos se encarregarão da segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.