Oded Bality/AP
Oded Bality/AP

Israel aplicará terceira dose da vacina contra a covid em maiores de 60 anos

País lança 'campanha de vacinação complementar' para enfrentar aumento de infecções pela variante Delta

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2021 | 19h39

TEL AVIV - Israel convocará seus cidadãos com mais de 60 anos para receber uma terceira dose da vacina contra a covid-19, anunciou nesta quinta-feira, 29, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, o que fará do Estado hebreu um dos primeiros países a aplicar a medida.

Diante do aumento de infecções nas últimas semanas devido à disseminação da variante Delta, Israel lança uma "campanha de vacinação complementar" a partir de domingo, 1, para pessoas com mais de 60 anos que foram vacinadas há mais de seis meses, declarou Bennett.

“Peço a todas as pessoas mais velhas já vacinadas que aceitem esta dose suplementar. Protejam-se”, pediu o primeiro-ministro.

O presidente Isaac Herzog, de 60 anos, receberá sua terceira dose da vacina na sexta-feira, informou Bennett.

"Poucos dias após a terceira dose, terão mais defesas imunológicas", disse Bennett. “As vacinas protegem contra a mortalidade, como acontece com a vacina contra a gripe, que deve ser tomada de novo de tempos em tempos”.

"Salvar vidas"

"Esta terceira dose pode salvar vidas", acrescentou o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, após os comentários do primeiro-ministro.

Mais de duas mil pessoas imunossuprimidas já receberam a terceira dose da vacina em Israel, disse Bennet, afirmando que "a decisão foi tomada após análises e estudos científicos sérios".

De acordo com a gigante farmacêutica Pfizer, que produz a vacina aplicada majoritariamente em Israel, "novos estudos mostram que uma terceira dose tem efeitos neutralizantes contra a variante Delta cinco vezes maior em jovens e mais de onze vezes em idosos".

Cerca de 55% da população israelense já está totalmente imunizada graças a uma rápida campanha que começou no final de dezembro.

A Pfizer entregou milhões de doses ao país, de 9,3 milhões de habitantes, em troca de dados sobre os efeitos da vacinação.

No início de junho, as autoridades estenderam a vacinação aos jovens entre 12 e 16 anos e, a partir de 1º de agosto, às crianças entre 5 e 11 anos que correm risco de complicações graves.

Israelenses em estado grave

O Estado hebreu registrou mais de 1.400 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, enquanto em meados de junho havia apenas 100, de acordo com o Ministério da Saúde.

Atualmente, são 15 mil casos ativos e 151 pessoas hospitalizadas em estado grave devido ao vírus, informaram as autoridades sanitárias.

As autoridades israelenses restabeleceram na quinta-feira o passaporte de vacinação - disponível para pessoas vacinadas ou com teste negativo recente - para o acesso a locais com mais de 100 pessoas, tanto em espaços fechados quanto abertos.

“Nosso objetivo é manter o país aberto, mas para isso temos que vencer a pandemia e só uma rápida campanha de vacinação nos trará essa vitória”, defendeu Bennet.

Israel tenta evitar um novo confinamento obrigatório para toda a população. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.