Israel aprova acordo de troca com Hezbollah

O gabinete de Israel aprovou nestedomingo, por 12 votos a 11, um acordo para a troca deprisioneiros com o grupo guerrilheiro islâmico libanês Hezbollah que será mediado pela Alemanha e contará com a participação daCruz Vermelha Internacional. O Hezbollah não divulgou nenhumcomentário sobre a decisão do gabinete israelense. Apesar de não permitir a inclusão de prisioneiros libanesesque tenham atacado Israel e deixar de fora nomes importantes dosdois lados, como o piloto israelense e herói nacional, Ron Arad,e o libanês Samir Kantar, o prisioneiro que está há mais tempoem poder dos israelenses, o acordo prevê a troca de mais de 400prisioneiros palestinos e libaneses, inclusive dois líderes daguerrilha libanesa seqüestrados por Israel. Além disso, dezenas de guerrilheiros árabes da Síria, doMarrocos, do Sudão e da Líbia também serão incluídos. Israelreceberá os corpos de três soldados e um empresário seqüestradoem 2000, Elhanan Tannenbaum. Especialistas no conflito e na região consideram que tantoArad quanto Kantar estão sendo guardados para negociaçõesfuturas, possivelmente numa troca simples, um pelo outro. Aindahá a possibilidade, defendida pelo governo israelense, de Aradnão estar no Líbano, e sim, no Irã. Mesmo sendo acusado pela família do aviador de abandonar um deseus maiores soldados no campo de batalha, Sharon pressionoufortemente seu gabinete pela inclusão no acordo do empresárioTannenbaum, que, segundo o primeiro-ministro, certamente seriaassassinado se a troca não fosse aprovada. Tannenbaum também é um coronel da reserva do Exército que foiseqüestrado em Abu Dhabi, nos Emirado Árabes Unidos, compassaporte falso quando tratava de negócios na região. O anúncio da aprovação do acordo coincidiu hoje com violaçõesdo espaço aéreo do sul do Líbano por aviões de combateisraelenses. Caças da Força Aérea sobrevoaram as controvertidasGranjas de Chebaa, um enclave ainda ocupado por Israel nafronteira com o Líbano e a Síria. Além das incursões aérea, aartilharia israelense disparou várias vezes contra a posição deradar síria em Chebaa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.