Israel aprova construção de novo assentamento judaico

Israel está levando adiante os planos para a construção de um novo assentamento judaico em Jerusalém Oriental, apesar das persistentes críticas externas às obras, afirmou um político local.

AE, Agência Estado

19 de dezembro de 2012 | 11h41

O vereador Pepe Alalu afirmou que uma comissão municipal aprovou nesta quarta-feira a construção de 2.612 novas habitações em Givat Hamatos.

Se a obra for levada adiante, será o primeiro assentamento judaico em Jerusalém Oriental desde 1997. Segundo Alalu, as obras em Givat Hamatos podem começar dentro de um ano.

Israel anunciou diversos projetos de construções em áreas ocupadas reivindicadas pelos palestinos desde que a Assembleia-Geral das Nações Unidas elevou, no mês passado, o status da Palestina na entidade a "Estado observador".

Críticos consideram Givat Hamatos um caso especialmente problemático porque bloquearia o acesso a Jerusalém Oriental pela Cisjordânia.

Os planos de construção têm sido criticados inclusive pelos Estados Unidos, principal aliado externo de Israel.

O Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) deve discutir a questão em reunião convocada para hoje.

Tanto israelenses quanto palestinos reivindicam Jerusalém como capital. A cidade - sagrada para cristãos, judeus e muçulmanos - foi capturada por Israel em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias.

Anos mais tarde, o governo israelense anexou a cidade e a declarou sua capital "eterna e indivisível". A iniciativa israelense, no entanto, são rechaçadas pela comunidade internacional, que defende uma solução negociada.

Os palestinos reivindicam o setor árabe da cidade, conhecido como Jerusalém Oriental, como capital de um futuro Estado. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.