Atef Safadi/EFE
Atef Safadi/EFE

Israel aprova primeiro Orçamento em mais de 3 anos e Bennett ganha sobrevida como premiê

Aprovação é uma marca importante, já que nos anos anteriores a falta de acordo em torno de Orçamentos anuais levaram à dissolução do Parlamento e à antecipação de eleições

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de novembro de 2021 | 19h02

JERUSALÉM - O Parlamento de Israel aprovou nesta quinta-feira, 4, pela primeira vez em mais de três anos um projeto de Orçamento para o final de 2021, em uma vitória que dá sobrevida ao governo do primeiro-ministro Naftali Bennett

Por Israel ter um regime de governo parlamentarista, a aprovação é uma marca importante, já que nos anos anteriores a falta de acordo em torno de Orçamentos anuais levaram à dissolução do Parlamento e à antecipação de eleições. Assim, o governo Bennett deve ganhar alguma estabilidade política, após um período caótico de quatro eleições dentro de dois anos.

A votação passou por 61 contra 59 votos, no Parlamento de 120 lugares, após quatro horas de debate e manobras de obstrução da oposição, liderada pelo ex-premiê Binyamin Netanyahu. Um empate 60-60 significaria fracasso. E se o Parlamento não aprovasse um orçamento até 14 de novembro, poderia levar à dissolução automática da legislatura e novas eleições dentro de três meses - justamente o objetivo de Netanyahu. Uma votação sobre o Orçamento de 2022 deve ocorrer até o fim da semana. 

A coalizão governante, composta por facções políticas de direita, centristas e de esquerda, bem como um pequeno partido islâmico árabe, tem sido unida principalmente por seu desejo de manter o antecessor de Bennett, Benjamin Netanyahu, fora do cargo. Até agora, esse interesse comum impediu batalhas internas de levarem à coalizão ao fracasso.

Para Reuven Hazan, professor de ciência política na Universidade Hebraica de Jerusalém, a união da coalizão é um milagre. "A razão pela qual isso acontece é Netanyahu, que ainda está por aí e à frente nas pesquisas", disse. 

Israel estava sem Orçamento para 2021 porque, no ano passado, Netanyahu, à época primeiro-ministro, manobrou para não aprová-lo e antecipar as eleições automaticamentes.  Ao fazer isso, Netanyahu foi capaz de evitar honrar um acordo que seria ter visto seu principal parceiro de coalizão, Benny Gantz - de um partido rival, centrista - assumir como primeiro-ministro.

Essa jogada política levou à eleição de março deste ano, que acabou por destituir Netanyahu, o primeiro-ministro mais antigo de Israel. Analistas dizem que a obsessão de Netanyahu em seguir no poder a qualquer custo é evitar responder na Justiça às acusações de corrupção que pesam contra ele. 

Alguns analistas são menos otimistas, no entanto, sobre o que pode acontecer quando desacordos dentro da coalizão vêm à tona. A maioria dos partidos da aliança, incluindo a facção de direita Yemina de Naftali Bennett, só ganhou assentos no Parlamento em um único dígito, mas cada um detém o poder de veto sobre o governo. Os parceiros da coligação têm pouco interesse numa nova eleição. Mas o professor Hazan advertiu que há várias maneiras em Israel de derrubar um governo e, por causa da magra maioria da coalizão, seria preciso apenas um ou dois legisladores descontentes para cruzar as linhas e votar com a oposição para que o Parlamento se dissolvesse. "Mesmo após o orçamento, este governo ainda está à beira de um precipício, (...) este governo é precário em um dia bom."

Junto com os atritos internos, o governo de Bennett também teve que suportar ataques intensos do campo pró-Netanyahu que os críticos dizem ter beirado o incitamento à violência. Um deputado ultra-ortodoxo acusou Bennett esta semana de ter "traído seus eleitores e traído o estado de Israel." Os partidários de Netanyahu fizeram alegações infundadas sobre os laços financeiros entre Raam, o partido islâmico na coalizão, e o Hamas, o grupo militante que controla Gaza, marcando o atual governo israelense como um que depende de apoiantes do terrorismo.

Até agora, o governo introduziu um plano para combater a violência dentro da comunidade árabe, trouxe com sucesso uma quarta onda do coronavírus sob controle, está cortando a ultra-Monopólio ortodoxo sobre questões como o licenciamento de alimentos kosher e inaugurou um senso geral de normalidade e responsabilidade nacional./ NYT, TRADUÇÃO DE AMANDA GUEDES

Tudo o que sabemos sobre:
Benny GantzIsrael [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.