Israel aprova US$ 41 milhões a assentamentos judaicos

O gabinete do governo de Israel votou neste domingo e aprovou o envio de US$ 41 milhões em novo financiamento a assentamentos judaicos na Cisjordânia, incluídas várias comunidades linha-dura que têm se oposto às restrições do governo a novas construções. A votação provocou uma divisão pouco comum no gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, com os centristas acusando o premiê de ceder à pressão dos extremistas israelenses. O gabinete aprovou o novo plano de gastos por 21 votos a favor e cinco contrários. Todos os votos contrários vieram de ministros do centrista Partido Trabalhista.

AE, Agencia Estado

13 de dezembro de 2009 | 17h45

Netanyahu tem defendido o plano, conhecido como "mapa das prioridades nacionais", ao ressaltar que ele ajudará dois milhões de israelenses, incluídos grandes números de árabes israelenses. Cerca de 100 mil colonos judeus na Cisjordânia, um terço da população judaica na região, irá ser beneficiada. "Nós determinaremos o futuro dos assentamentos apenas com um documento de acordo permanente de paz com os palestinos", disse Netanyahu ao gabinete. "Este mapa tem como objetivo acabar com disputas e também endereça nossas preocupações com a segurança".

As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosCisjordânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.