Israel apura pilhagem em ofensiva na Cisjordânia

O exército israelense iniciou hoje uma investigação interna para esclarecer alegações palestinas de que seus soldados teriam saqueado e vandalizado propriedades durante as incursões militares na Cisjordânia. Um comunicado do exército emitido hoje afirma que quatro soldados foram detido por pilhagem, roubo ou por danificar propriedades palestinas, e condenou tais crimes como "excepcionais". Segundo palestinos, objetos pessoais, equipamentos de escritório e produtos de lojas foram roubados pelas tropas, em incidentes que aparentemente não tinham nenhuma relação com as operações militares. Em alguns casos, de acordo com palestinos, casas que foram tomadas e transformadas pelas tropas em pontos de observação ou locais de repouso foram vandalizadas e roubada. "Eventos como estes foram e serão tratados de forma severa" diz o comunicado do exército. A maioria das acusações feitas por civis palestinos foram passadas para a polícia militar para que sejam investigadas. Entretanto, os palestinos duvidam que o mesmo exército que, segundo eles, atirou indiscriminadamente contra civis e destruiu dezenas de casas julgará soldados por seus crimes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.