Israel ataca sede do governo do Hamas em Gaza

Ataques aéreos de Israel atingiram, na madrugada de sábado, a sede do gabinete de governo do Hamas em Gaza após militantes dispararem foguetes contra as cidades israelenses de Tel Aviv e Jerusalém. Israel convocou milhares de reservistas a ficarem de prontidão para uma possível guerra terrestre.

EQUIPE AE, Agência Estado

17 de novembro de 2012 | 09h21

O exército de Israel informou ter isolado todas as estradas principais em torno da fronteira de Gaza, declarando a área como zona militar fechada, no mais recente sinal de que o país está prestes a lançar sua primeira ofensiva terrestre no território desde 2008/09.

O governo do Hamas disse que a sede do gabinete foi alvejada em quatro ataques. Testemunhas relataram danos ao edifício.

"O IDF (exército) tinha como alvo a sede de Ismail Haniya (primeiro-ministro do Hamas) em Gaza", destacou um porta-voz do Exército israelense à agência AFP. "Nas últimas seis horas, o IDF mirou 85 pontos de terrorismo", informou a conta de Twitter oficial do porta-voz militar.

"A sede foi completamente destruída e casas vizinhas foram danificadas como resultado do bombardeio ''bárbaro'' de Israel", afirmou um oficial do Hamas.

Israel intensificou as ações militares em Gaza, bombardeando o quartel-general da polícia do Hamas, no oeste da Cidade de Gaza, e a sede de segurança interna do governo, no norte da cidade.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reiterou o apoio do país ao direito de Israel se defender durante um telefonema ao premiê israelense, Benjamin Netanyahu, sobre o conflito em Gaza.

Ataques aéreos israelenses em Gaza na noite de sexta-feira mataram seis palestinos, elevando o número de mortes em dois dias de violência para 30, disse um porta-voz do ministério da saúde do governo do Hamas.

Ministros israelenses aprovaram a convocação de até 75 mil reservistas enquanto o primeiro-ministro Netanyahu promovia reuniões tarde da noite no Ministério da Defesa, em Tel Aviv, com seu círculo de autoridades mais próximo, relatou o canal de televisão Channel Two.

Depois do ataque a Tel-Aviv, a ala militar do Hamas disse ter disparado um foguete contra Jerusalém. Segundo a polícia local, nenhum foguete causou vítimas ou danos na sexta-feira, mas eles causaram pânico nos dois principais centros populacionais de Israel, desencadeando sirenes de aviso e levando moradores a correr para abrigos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaHamas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.