Israel atrasa plano de paz proposto pela Arábia Saudita

O plano de paz proposto pela Arábia Saudita para o Oriente Médio ainda não foi apresentado formalmente devido à "repressão sem precedentes" por parte do primeiro-ministro israelense Ariel Sharon contra os territórios palestinos ocupados, afirmou hoje o príncipe saudita, Abdullah. A proposta saudita, que deverá ser apresentada em breve por Abdullah, segundo o jornal The New York Times, baseia-se numa antiga idéia da Liga árabe que defende o conceito de paz em troca dos territórios.Segundo o plano, Israel deve regressar às suas fronteiras anteriores à "Guerra dos Seis Dias" (1967) e retirar-se completamente da Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém oriental. Por sua parte, a Arábia Saudita, que é a guardiã dos principais locais sagrados do islamismo, reconheceria o Estado de Israel e pediria a todo o mundo árabe para que fizesse o mesmo.O plano saudita foi considerado "interessante" pelos Estados Unidos, um dos países-chave para a paz no Oriente Médio, e recebido positivamente pelos palestinos. Em Israel as reações ao plano foram contrastantes. O ministro das Relações Exteriores, Shimon Peres, o recebeu favoravelmente, mas Sharon nem chegou a se referir à idéia. O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, está encorajando o príncipe herdeiro Abdullah a continuar trabalhando na proposta. Powell telefonou no domingo para Abdullah e disse que o plano é "um importante passo" que ele espera será apresentado nas próximas semanas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.