Israel atrasa votação para libertar 250 membros do Fatah

Aprovação da medida representaria a maior libertação de detidos palestinos

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 09h53

O Conselho semanal de Ministros de Israel decidiu atrasar neste domingo, 1º, a votação para a libertação de 250 membros do Fatah, anunciada pelo primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, ao líder do movimento, o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. Olmert se comprometeu com Abbas na segunda-feira, em reunião entre Israel, ANP, Egito e Jordânia em Sharm el-Sheikh. Um dia depois do encontro, a porta-voz de Olmert, Miri Eisin, garantiu que a medida - que afetará apenas os prisioneiros palestinos que não são acusados de homicídio - seria submetida a votação neste domingo. O atraso se deve a que o plano ainda está sendo debatido conscientemente, afirmaram fontes oficiais israelenses ao jornal "Ha´aretz". A aprovação representaria a maior libertação de detidos palestinos em prisões israelenses - calculados em cerca de 10 mil - desde fevereiro de 2005, quando Israel libertou 500 palestinos para apoiar Abbas após sua eleição como presidente da ANP. Embora não tenha submetido a libertação a votação, Olmert elogiou na reunião do gabinete as medidas de segurança aprovadas na Cisjordânia pelo governo de emergência da ANP, como a proibição de usar armas em locais públicos e a suspensão dos passaportes dos ministros do Hamas que foram cassados. Abbas criou um governo de emergência liderado por Salam Fayyad no dia 16 de junho, depois que o Hamas tomou o controle de Gaza após seis dias de confrontos entre o grupo islâmico e o Fatah. Outra decisão governamental foi a transferência de quatro prisioneiros para a Jordânia. Os detidos foram condenados por matar um soldado israelense em 1990 e deverão cumprir o restante de sua pena em território jordaniano. Olmert se comprometeu há alguns meses com o rei Abdullah II da Jordânia a avaliar a possibilidade de libertar os quatro prisioneiros e deixou o dossiê sob responsabilidade do Ministério da Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.