Israel bloqueia acesso à igreja da Natividade em Belém

Forças israelensescercaram a praça que rodeia a Igreja de Natividade em Belém, naCisjordânia, impedindo que os fiéis assistissem à missadominical, como parte das medidas de segurança impostas a essacidade de onde veio o terrorista palestino que matou 11 pessoasem um ônibus em Jerusalém na semana passada. Enquanto soavam os sinos da igreja, os soldadosmantinham o toque de recolher e patrulhavam as ruas vazias dacidade bíblica, permitindo apenas a 15 monges o acesso ao temploconstruído sobre o local onde nasceu Jesus. Os residentes de Belém estão sob toque de recolher desdea última sexta-feira, a partir de quando os soldados israelensesjá invadiram casas de mais de 30 palestinos, três dos quaissupostamente vinculados a ataques suicidas. Entre outros, asforças israelenses detiveram o tenente-coronel Khaled Maraka,oficial da Força 17, do líder palestino Yasser Arafat, e outrastrês pessoas em Beit Omar, e buscaram outros militantes nacidade de Tubas. Ali, eles arrombaram as portas de uma mesquitaem busca de Mohammed Alkilani, que convoca os muçulmanos locaispara as orações, mas não o encontraram no interior do templo. Em Ramallah, a Autoridade Palestina proclamou ofuncionário da agência da ONU para Refugiados Palestinos (UNWRA) Iain John Hook, morto na sexta-feira em Jenin, como "mártir daIntifada". Arafat acusou Israel de ter impedido a rápidaintervenção de um ambulância na tentativa de salvar ofuncionário. Por sua vez, através de um comunicado, a UNWRAqualificou de "totalmente incrível" a versão da morte de Hookapresentada pelo exército israelense e disse que prosseguirá asinvestigações sobre o caso. O exército israelense admitiu que dois de seus soldadosmataram Hook "por engano" ao confundirem o telefone celularnas mãos da vítima com uma granada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.