Israel boicota diplomata norueguês por encontro com Haniyeh

O Ministério de Assuntos Exteriores de Israel cancelou nesta terça-feira, 20, uma reunião entre o diretor-geral Aharon Abramovich e o secretário de Estado de Assuntos Exteriores da Noruega, Raymond Johansen, em resposta ao encontro do diplomata norueguês com o primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, nesta segunda-feira, em Gaza.A Noruega foi o primeiro país ocidental a romper o boicote internacional ao novo governo de união nacional da Autoridade Nacional Palestina (ANP), liderado pelo movimento islâmico Hamas e pelo nacionalista Fatah, iniciado no sábado.Johansen foi o primeiro diplomata ocidental que se reuniu em Gaza com o primeiro-ministro palestino, que é líder do Hamas, grupo considerado "terrorista" por Israel, Estados Unidos e União Européia (UE).Israel sustenta que não reconhecerá o Executivo palestino de união nacional enquanto não forem cumpridas as condições impostas pelo Quarteto de Madri, no ano passado, ao primeiro governo de Haniyeh. As três condições são o reconhecimento de Israel, dos acordos já assinados e o fim da violência.O Quarteto de Madri, formado por EUA, UE, Rússia e ONU, decidiu nesta segunda-feira, em conversa telefônica entre seus membros, que continuará o boicote por mais três meses, até que se esclareça a posição do novo governo.Fontes diplomáticas israelenses, citadas pela rádio pública israelense, disseram que não há "nada novo" no cancelamento da reunião com Johansen e que a decisão de não receber nenhum funcionário que se encontre com dirigentes do Hamas ou qualquer outra organização "terrorista" foi aprovada há algum tempo.A mesma estratégia foi adotada por Israel entre 2001 e 2004, quando após declarar o presidente palestino Yasser Arafat como "irrelevante", seus governante e diplomatas se negavam a receber os representantes ocidentais que, em visitas à região, também se reuniam com o histórico líder palestino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.