Israel bombardeia Gaza e mata um adolescente

Ataques ocorrem um dia depois de militantes invadirem Estado judeu e matarem oito pessoas

estadão.com.br

18 de agosto de 2011 | 21h25

Atualizado às 22h17

 

CIDADE DE GAZA - Testemunhas palestinas disseram que aviões de Israel bombardearam Gaza no início da sexta-feira, 19 (horário local), matando ao menos uma pessoa e ferindo outras 17. Os ataques ocorrem um dia depois de militantes invadirem o território do Estado judeu através do Sinai e matarem oito israelenses.

 

Veja também:

linkAtaque mata oito em Israel e eleva tensão no Sinai

linkEUA pedem reforço da segurança no Sinai

link'Agressores pagarão caro', diz Netanyahu

linkHamas nega autoria, mas elogia ataque

linkIsrael responde a ataque e mata seis em Gaza

 

De acordo com as fontes, três complexos da facção radical islâmica Hamas, que controla a faixa de Gaza, foram atingidos, embora o grupo tenha negado participação nos ataques em Israel. A vítima, dizem fontes médicas, é um garoto de 13 anos. Um porta-voz dos militares israelenses não confirmou nem negou os ataques.

A retaliação de Israel aos atentados de quinta começaram ainda durante a tarde, quando bombardearam Gaza e mataram seis palestinos, entre eles um dirigente dos Comitês Populares de Resistência, grupo radical. Um segundo ataque na área da fronteira matou três guardar egípcios.

 

No ataque desta quinta-feira, cerca de 15 militantes invadiram Israel através do Sinais armados com metralhadoras e bombas e atacaram civis e militares. Cinco deles foram abatidos pelas forças de defesa israelenses.

 

O premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que os ataques representam uma "séria violação da soberania de Israel" e disse que o país não vai se curvar diante das agressões. Além disso, disse que aqueles que ousarem atacar Israel "pagarão caro". Barak também se pronunciou e afirmou que o Estado judeu vai preparar uma resposta com "força total".

 

O incidente elevou as tensões na região do Sinai e gerou críticas ao governo do Egito sobre a falta de controle na região, que tem sido palco de ataques a delegacias e oleodutos nos últimos meses.

 

Com informações da Associated Press e da Reuters

 

Visualizar Eilat, no sul de Israel em um mapa maior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.