Israel bombardeia sul do Líbano após nova captura de soldados

Tropas, aeronaves e navios israelenses atacaram o sul do Líbano nesta quarta-feira em uma dura resposta a morte e o seqüestro de soldados das Forças de Defesa de Israel por militantes da guerrilha libanesa Hezbollah. Sete soldados israelenses morreram e dois foram capturados após uma ofensiva do Hezbollah contra território israelense mais cedo nesta quarta.Além dos soldados israelenses, dois civis e um guerrilheiro libaneses morreram nos confrontos.Para o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, a captura dos soldados foi um "ato de guerra". O gabinete israelense já prepara uma nova ação militar no Líbano - o que na prática significará a criação de um novo front na luta contra militantes islâmicos por Israel, que há duas semanas invadiu a Faixa de Gaza com o intuito de libertar um soldado capturado por militantes palestinos no último dia 25.Refletindo a escalada das tensões na região, Olmert responsabilizou o governo libanês pela segurança dos dois soldados seqüestrados, e disse que a resposta israelense será "restrita, porém muito, muito, muito rigorosa". O Exército de Israel planeja convocar milhares de reservistas com o intuito de ampliar a ação. Moradores das cidades israelenses que fazem fronteira com o Líbano foram alertados para procurar proteção em abrigos antibomba. Jatos Israelenses sobrevoaram largas porções do sul do Líbano, destruindo pontes e posições do Hezbollah, em ações que deixaram ao menos dois civis mortos, segundo autoridades libanesas.Das sete baixas israelenses nesta quarta-feira, três decorreram da troca de fogo com guerrilheiros do Hezbollah e quatro estavam dentro de um tanque que explodiu ao passar sobre uma mina terrestre em território libanês. Um militante libanês também morreu.ExigênciaO líder do Hezbollah, Sheik Hassan Nasrallah, disse nesta quarta-feira que as investidas israelenses contra o Líbano não levarão à libertação dos dois soldados. Assim como os militantes palestinos que seqüestraram o cabo Gilad Shalit no último dia 25, Nasrallah disse que os soldados só serão libertados na troca por prisioneiros. "Nenhuma operação militar os trará de volta", disse ele em uma coletiva de imprensa e m Beirute. "Os prisioneiros não serão soltos exceto com uma condição: negociações indiretas e uma troca."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.