REUTERS/Ammar Awad
REUTERS/Ammar Awad

Israel cancela acordo com ONU para não deportar imigrantes africanos

Primeiro-ministro Binyamin Netanyahu anunciou que tomou decisão depois de ouvir observações sobre o acordo e analisar 'as vantagens e os inconvenientes'; plano estabelecia a reinstalação em países ocidentais de mais de 16.000 sudaneses e eritreus

O Estado de S.Paulo

03 Abril 2018 | 12h02

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, anunciou nesta terça-feira, 3, a anulação do acordo com a ONU que estabelecia a regularização de milhares de migrantes africanos em Israel e a reinstalação de um número similar em países ocidentais.

Pressão da direita faz Bibi recuar em expulsão de africanos ilegais

"Depois de ouvir diversas observações sobre este acordo, analisei as vantagens e os inconvenientes, e decidi anular este acordo", afirmou Netanyahu, de acordo com um comunicado.

Na segunda-feira à noite, o governo suspendeu a aplicação do acordo, poucas horas depois de anunciá-lo com o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur). O acordo tinha o propósito de substituir um polêmico programa de expulsões que foi anulado após uma decisão da Suprema Corte israelense.

Esse novo plano estabelecia a reinstalação em países ocidentais de mais de 16.000 sudaneses e eritreus que vivem em Israel. Em contrapartida, o Estado hebreu se comprometia a dar visto de residência a um número equivalente de pessoas.

Polícia de Israel pede indiciamento de Netanyahu por corrupção

"Decidi suspender a aplicação desse acordo e rever os termos", afirmou o premiê em sua página no Facebook. O primeiro-ministro disse ter considerado as queixas feitas pelos moradores de Tel-Aviv, onde vive a maioria dos imigrantes.

O anúncio do acordo com a ONU também suscitou duras reações da direita israelense e do entorno próximo de Netanyahu.

'Nenhuma obrigação moral'

"Israel é um Estado judeu e democrático que deve se esforçar para conservar sua identidade", defendeu a ministra da Cultura, Miri Regev, apoadora indefectível de Netanyahu. Para ela, as pessoas que entraram de forma clandestina e que ficaram ilegalmente em Israel "têm de voltar para seus países".

O ministro da Educação, Naftali Bennett, dirigente do partido nacionalista religioso O Lar Judaico, declarou à rádio pública que Israel não tem "qualquer obrigação moral de receber clandestinos em busca de trabalho".

Netanyahu, que no ano passado prometeu "devolver o sul de Tel-Aviv aos cidadãos de Israel", deve se reunir nesta terça com representantes da sociedade civil nessa cidade.

Palestino não resiste aos ferimentos e eleva o número de mortos no protesto em Gaza para 17

"Continuamos dispostos a (aplicar o acordo), porque tem benefícios para todo o mundo", afirmou a porta-voz do Acnur, Carlotta Salma, antes de saber da anulação.

No âmbito do acordo, países como "Canadá, Alemanha, ou Itália" têm vocação para receber esses milhares de migrantes, disse Netanyahu. Ontem, estes dois últimos desmentiram as declarações do premiê.

Carlotta afirmou que houve um "mal-entendido" e garantiu que o Acnur tem por missão "encontrar um acordo com os países disponíveis".

Segundo as autoridades israelenses, 42.000 migrantes africanos vivem hoje em Israel. Mulheres e crianças não estão entre os ameaçados pelo plano inicial de expulsões.

Em sua maioria, esses imigrantes africanos chegaram ao território a partir de 2007, procedentes do Sinai egípcio. Nessa época, a fronteira com o Egito era muito porosa, mas, atualmente, tornou-se quase hermética. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.