Israel cancela participação em reunião do TNP

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, cancelou a sua viagem para Washington na semana que vem, onde participaria com líderes de mais de 40 países de uma cúpula sobre a proliferação nuclear, convocada para segunda-feira pelo presidente dos EUA, Barack Obama.

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2010 | 00h00

Não foi divulgado oficialmente pelo governo israelense o motivo do cancelamento da visita. Mas, segundo afirmava ontem a imprensa de Israel, o premiê estaria insatisfeito com a possibilidade de a Turquia e o Egito levantarem a questão do arsenal nuclear israelense durante a cúpula. Os dois países, que mantêm relações diplomáticas com Israel, defendem um Oriente Médio livre de armas atômicas. A mesma posição é defendida por 22 países da Liga Árabes. Essas nações insistiram ontem para que a Agência Internacional de Energia Atômica pressione Israel a assinar o TNP. O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, também declarou ser a favor de um Oriente Médio livre de armas atômicas - o que incluiria os israelenses.

Israel não confirma nem nega que tenha um arsenal nuclear. Na comunidade internacional, há um consenso de que os israelenses possuem armas atômicas, apesar de nunca terem feito testes. O país é um dos poucos que não assinaram o TNP. Os outros são Índia, Coreia do Norte e Paquistão. Todos declararam possuir armas nucleares. O Irã é signatário.

Os EUA não se posicionam sobre a questão do arsenal israelense. Os dois países, aliados históricos, possuem divergências em relação aos assentamentos judaicos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. Obama está insatisfeito com novas construções anunciadas por Netanyahu em áreas reivindicadas pelos palestinos para o estabelecimento de um futuro Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.