Israel começa a aliviar bloqueio

Israel aliviou hoje bloqueios contra várias cidades da Cisjordânia, mas palestinos acusaram o primeiro-ministro Ariel Sharon de estar perseguindo uma estratégia de retalhar áreas palestinas em isoladas porções de terra.Sharon e os palestinos viveram uma relação hostil por décadas, e depois de poucas polidas referências quando Sharon assumiu o poder na semana passada, eles voltaram a trocar duras acusações.Soldados israelenses abriram rodovias de acesso à cidade de Ramallah, na Cisjordânia, e a um importante centro comercial logo ao norte de Jerusalém que havia sido bloqueado nos últimos dois dias. Mas havia um engarrafemento de quilômetros devido ao fato de tropas estarem promovendo buscas em todos os carros que passavam. Sharon tem dito que o forte bloqueio a Ramallah foi imposto porque forças de segurança israelenses estavam tentando apanhar pessoas que estariam planejando na área promover ataques com carro-bomba em Israel."A política de Sharon é cruel, desumana e planejada especificamente para provocar, e não para pôr fim à violência", disse o ministro da Informação palestino, Yasser Abed Rabbo. "Sharon tem sempre justificado suas políticas brutais citando preocupações de segurança, sejam elas reais, imaginárias ou convenientemente inventadas".Tropas israelenses diminuíram restrições de viagens nas cidades cisjordanianas de Belém, Tulkarem, Qalqiliya e Hebron, levantando algumas barreiras rodoviárias a fim de permitir que palestinos entrassem e saíssem das cidades.Israel aliviou o bloqueio um dia depois que o Departamento de Estado americano pediu ao governo judeu para liberar impostos arrecadados dos palestinos, e também exigir que os palestinos se esforcem mais para pôr fim à violência.Sharon rejeitou imediatamente o pedido para entregar à Autoridade Palestina os impostos arrecadados. Pedir a Israel que "pague os soldos das forças palestinas que promovem ataques terroristas contra Israel é uma reivindicação imoral", afirmou ele num comunicado após reunir-se com autoridades da União Européia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.