Tsafrir Abayov/AP
Tsafrir Abayov/AP

Israel começa a aplicar a quarta dose da vacina contra a covid-19

Primeiros a receberem nova aplicação foram pacientes com transplante de coração e pulmão do Hospital Sheba, em Tel-Aviv

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2021 | 16h11
Atualizado 31 de dezembro de 2021 | 16h23

TEL-AVIV - O governo de Israel começou a aplicar ontem a quarta dose da vacina contra a covid-19 em pessoas imunodeprimidas. A decisão foi tomada para amenizar o impacto de uma nova onda de infecções provocadas pela variante Ômicron. Os primeiros a receberem a quarta dose foram pacientes com transplante de coração e pulmão do Hospital Sheba, em Tel-Aviv. Os próximos devem ser residentes e funcionários que trabalham em asilos de idosos.

Na semana passada, um painel de especialistas do Ministério da Saúde israelense recomendou que o país oferecesse uma quarta dose do imunizante da Pfizer para funcionários da área de saúde e pessoas com mais de 60 anos ou com sistema imunológico comprometido. “Fizemos isso após estudos que mostram o benefício da vacina, incluindo a quarta dose, para a população”, disse Nachman Ash, diretor-geral do Ministério da Saúde. 

Israel é pioneiro na dose de reforço 

Israel foi um dos primeiros países a vacinar em massa sua população, ainda em dezembro de 2020, e um dos pioneiros na aplicação da dose de reforço, após observar que a imunidade diminui com o tempo. Por isso, a situação epidemiológica do país é monitorada de perto por autoridades sanitárias de outras regiões, como EUA e Europa.

Na quinta-feira, um voo da companhia aérea israelense El-Al, vindo da Bélgica, pousou em Tel-Aviv levando um carregamento da pílula anticovid da Pfizer, o Paxlovid. Na semana passada, a Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos EUA aprovou a Paxlovid. A pílula reduz hospitalizações e mortes em 88% em grupos de risco quando tomada nos primeiros cinco dias após o aparecimento dos sintomas.

O premiê, Naftali Bennett, celebrou a chegada do Paxlovid como “uma nova arma no arsenal na guerra contra a pandemia”. “Graças a nossa ação, as drogas chegaram a Israel rapidamente e nos ajudarão a ultrapassar o pico da próxima onda da Ômicron”, disse. Para Ran Balicer, que dirige o comitê de especialistas de Israel, o medicamento da Pfizer pode “reduzir drasticamente o risco de doenças graves e hospitalizações”. “É um elemento-chave, junto com a vacina e a máscara, na estratégia para conter a nova onda”, afirmou. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.