Israel começa retirada do sul do Líbano, que deve durar até anoitecer de domingo

O Exército israelense deu início neste sábado à retirada total de suas tropas do sul do Líbano. A previsão é que ela seja concluída antes do pôr-do-sol de domingo, quando tem início o Yom Kippur (Dia do Perdão), a data mais sagrada no calendário judaico. Desde o anoitecer de domingo até o de segunda-feira cessarão totalmente todas as atividades no território de Israel em virtude deste feriado. A saída é condição-chave da Resolução 1.701 da ONU, que em 13 de agosto pôs fim a 34 dias do conflito, iniciado em 12 de julho quando integrantes da milícia xiita libanesa do Hezbollah mataram três soldados israelenses e capturaram outros dois, na fronteira com Israel. A resolução autoriza o envio de até 15 mil soldados de uma força de paz internacional para o sul do Líbano, que deve atuar com um número similar de soldados libaneses. A resolução determina ainda a retirada completa de Israel do país, o desarmamento do Hezbollah, um acordo para a entrega dos soldados israelenses capturados e a libertação de libaneses presos em Israel.A retirada total havia sido adiada várias vezes, por temores de Israel de que o Exército do Líbano e as tropas da ONU não conseguissem impedir a atuação do Hezbollah próximo à fronteira entre os dois países. Desde então, a maior parte de cerca de 30 mil soldados do Exército regular, além de reservistas, retornaram de forma graduada a Israel, transferindo suas posições, segundo essa resolução, a soldados do Exército Nacional libanês, que devem tomar o controle no sul com a ajuda de uma força da ONU (Finul).Ampliada às 20h27

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.