Israel: comissão Mitchell visita zonas de conflito

A comissão internacional encabeçada pelo ex-senador americano George Mitchell, estabelecida para investigar a violência entre Israel epalestinos, começa hoje um visita de quatro dias por Israel e a Autoridade Palestina para dar continuar ao trabalho de investigação sobre as causas da onda da violência que se instalou na região e já causou a morte de cerca de 500 pessoas, a maioria palestinos, nos últimos seis meses. Além de Mitchell, o grupo é formado por Warren Rudman, um alto representante da Política Exterior e Segurança da União Européia; pelo espanhol Javier Solana; pelo ex-presidente turco Suleimán Demirel e pelo ministro norueguês de Assuntos Exteriores, Thorbjoern Jagland.A comissão havia interrompido seu trabalho de investigação há cerca de um ano, quando o governo em exercício, do premier Ehud Barak, cessou sua cooperação com o grupo porque seu secretário realizou uma visita a um templo de Jerusalém, onde foi originada a luta atual, sem informar ao governo israelense.Os membros da comissão se reúnem hoje em Jerusalém com o novo chanceler do país, o trabalhista Simon Peres - um dos arquitetos dos acordos de paz de Oslo, além de outras autoridades israelenses. O grupo também pretende se reunir com os familiares das vítimas dos atentados palestinos, e visitar o Museu do Holocausto de Jerusalém, que guarda a memória dos 6 milhões de judeus mortos pelo regime nazista. À tarde, os membros da comissão se encontram com o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, na cidade autônoma de Gaza.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.