Jack Guez/AFP
Jack Guez/AFP

Israel concede status legal a mais três colônias na Cisjordânia

Medida do governo pode sustentar o governo de coalizão, mas atraiu forte condenação palestina

24 de abril de 2012 | 08h36

TEL-AVIV - O governo israelense disse nesta terça-feira, 24, que concedeu status legal a três postos de assentamentos judaicos na Cisjordânia, região ocupada por Israel, uma medida que pode sustentar o governo de coalizão, mas que atraiu forte condenação palestina.

Veja também:

linkIsrael rompe com Conselho de Direitos Humanos da ONU

Autoridades israelenses minimizaram a decisão tomada por um comitê ministerial na noite de segunda-feira e rejeitaram as acusações de que o governo havia efetivamente criado o primeiro novo assentamento judaico em mais de 20 anos.

Os três postos - Bruchin, Sansana e Rechelim - foram construídos em terras que Israel declara ser "propriedade do Estado" na Cisjordânia, uma área capturada na guerra de 1967 e a qual os palestinos querem como parte de seu futuro Estado.

"O painel decidiu formalizar o status de três comunidades... que foram estabelecidas nos anos de 1990, de acordo com decisões de governos anteriores", afirmou um comunicado emitido pelo gabinete do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

A maioria da comunidade internacional vê todos os assentamentos judaicos na Cisjordânia como ilegais. Entretanto, Israel faz distinção entre assentamentos que foram aprovados e os postos que nunca receberam uma autorização oficial.

Cerca de 350 colonos vivem em Bruchin e 240 em Rechelim, ambos na parte norte da Cisjordânia, enquanto Sansana, com uma população de 240, está mais ao sul.

Nenhum deles recebeu o status legal definitivo de comunidade formal e Netanyahu, apesar de ser politicamente forte, enfrentou questões dentro do próprio partido Likud e outras coalizões parceiras da ala-direita sobre seu comprometimento com os colonos.

O governo palestino condenou a decisão. As autoridades palestinas aguardam uma resposta formal de Netanyahu a uma carta enviada na semana passada pelo presidente Mahmoud Abbas, na qual ele repete seu pedido de interrupção de toda atividade de construção em assentamentos. As conversações de paz estão congeladas desde 2010 por causa de um impasse sobre essa questão.

Há anos Israel promete a seu principal aliado, os EUA, remover dezenas de postos avançados de colonos, mas pouco fez para cumprir o compromisso, já que Netanyahu enfrenta pressão política na própria coalizão de governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.