Israel condena palestino por treinar com a Al-Qaeda

Uma corte militar israelense condenou um palestino a 27 anos de prisão por ter treinado ao lado da rede extremista Al-Qaeda, liderada pelo milionário saudita no exílio Osama bin Laden, e por planejar atentados contra israelenses.O caso de Nabil Okal, de 29 anos, representa a primeira vez em que Israel condena um palestino por acusações de ligação com a Al-Qaeda, informou o Exército israelense. Outros palestinos acusados de trabalhar com a rede foram detidos, mas ainda não foram julgados.Como membro do grupo islâmico Hamas em operação na Faixa de Gaza, Okal viajou em 1998 para o Afeganistão, onde encontrou um assessor de Bin Laden e participou de um treinamento num campo da Al-Qaeda, dizia o veredicto pronunciado pela corte marcial, nesta segunda-feira.No campo, Okal aprendeu a fazer bombas, inclusive algumas com agentes químicos. Ele foi detido em junho de 2000 na Faixa de Gaza, quando pretendia retornar ao Afeganistão para receber mais treinamento, prossegue o veredicto.O advogado de Okal, Tamim Younis, disse a jornalistas que seu cliente nega todas as acusações apresentadas pelos israelenses.Okal trajava um uniforme marrom, utilizado no sistema penitenciário israelense, e ouviu em silêncio a leitura do veredicto em hebraico, traduzido simultaneamente em árabe para ele.O promotor militar capitão Ronen Shor disse a jornalistas que Okal nunca aderiu à Al-Qaeda, mas treinou ao lado do grupo com a intenção de atacar alvos israelenses. A promotoria também não ligou Okal a nenhum ataque colocado em prática.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.