Israel condiciona cessar-fogo à libertação de soldados

O governo libanês disse neste domingo que a Itália transmitiu as condições de Israel para interromper seus ataques ao Líbano: entregar os dois soldados israelenses capturados e retirar o Hezbollah da fronteira do país para o outro lado do Rio Litani. O ministro da Informação libanês, Ghazi Aridi, informou as condições aos repórteres depois de uma reunião de emergência em seu gabinete. Segundo ele, o primeiro-ministro italiano, Romano Prodi, falou com o seu colega libanês, Fuad Saniora, e informou as condições feitas pelo premiê israelense, Ehud Olmert. Aridi disse que Prodi anunciou as condições de Olmert para Saniora como uma "iniciativa pessoal". "Nada ainda é oficial porque as negociações efetivas ainda não começaram", explicou Aridi. O rio Litani está a cerca de 30 quilômetros do norte da divisa de Israel com o Líbano. Israel invadiu o Líbano em 1978, para expulsar a guerrilha palestina do Litani, como forma de prevenir ataques às comunidades do nordeste de seu país. A nova invasão ocorreu em 1982 com a ocupação Beirute. Os soldados bateram em retirada gradualmente sob o fogo da guerrilha para uma zona de fronteira em 1985. A zona de segurança foi abandonada completamente em 2000. Desde o início do conflito, na última quarta-feira, 106 libaneses e 23 israelenses morreram. O último levantamento contabilizou os números até sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.