Israel considera anti-semita explosão na Tunísia

A explosão de um caminhão, nesta quinta-feira, em frente a uma sinagoga, causando a morte de cinco pessoas, foi vista por autoridades israelenses como um ataque anti-semita, embora o presidente da sinagoga tenha considerado o que ocorreu apenas um acidente.O caminhão carregado de gás bateu no muro externo de uma histórica sinagoga da ilha tunisiana de Djerba, provocando uma explosão que, além das mortes, feriu pelo menos trinta e duas pessoas.A explosão na ilha de Djerba aconteceu em meio a uma onda de ataques contra sinagogas e outros alvos judaicos na Europa relacionada à escalada dos confrontos entre israelenses e palestinos no Oriente Médio.Dezenas de pessoas estavam no interior da sinagoga no momento do incidente. A explosão matou o motorista do caminhão e quatro outras pessoas, segundo a agência oficial de notícias TAP, que também qualificou o episódio como um acidente.Além do motorista, morreram dois turistas alemães e dois tunisianos que trabalhavam na sinagoga. Mais cedo, o Ministério de Relações Exteriores da Alemanha anunciou que mais de 20 alemães ficaram feridos, mas não tinha informação sobre os mortos.Perez Trabelsi, presidente da histórica sinagoga de Ghriba, não acredita que se trate de um ataque. "Acho que foi um acidente, e que não está relacionado com a situação em Israel", opinou Trabelsi. "Se fosse um ataque, teriam alvejado pessoas dentro da sinagoga." Acrescentou que os judeus tunisianos não enfrentam anti-semitismo. "Vivemos sem problemas, tudo tem ido bem para nós."Com a escalada das tensões no Oriente Médio, sinagogas na Europa, principalmente na França, têm sido atacadas. No caso mais sério, uma sinagoga na cidade francesa de Marselha foi completamente destruída por um incêndio criminoso em 31 de março.Em Jerusalém, o vice-ministro do Exterior Michael Melchior disse que "a onda de recentes eventos (anti-semitas) chegou ao cume hoje (quinta-feira) com o cruel assassinato de turistas na ancestral sinagoga de Djerba". Helicópteros transportaram os feridos, a maioria com queimaduras, para o hospital regional de Djerba.Forças de segurança e autoridades judiciais abriram uma investigação sobre a explosão, que danificou a fachada da histórica sinagoga azul e branca. Depois da explosão, a polícia isolou a área, mantendo os repórteres a 200 metros de distância.Djerba é um popular ponto turístico na costa sudeste dessa nação do norte da África. A sinagoga de Ghriba é local de peregrinação de judeus e foi construída sobre as bases de uma das mais antigas sinagogas da África. Ela estava aberta à visitação pública quando ocorreu a explosão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.