Israel construirá 227 novas casas em território palestino ocupado

Pelo menos 100 das casas que serão erguinas na Cisjordânia irão para ex-moradores de Netzarim

Efe

15 de agosto de 2011 | 11h22

JERUSALÉM - Israel construirá 227 novas casas para judeus no território palestino ocupado da Cisjordânia, informou nesta segunda-feira, 15, o Ministério da Defesa de Israel.

 

"O ministro da Defesa, Ehud Barak, aprovou na semana passada a construção de 227 casas no assentamento de Ariel, das quais cem serão destinadas as pessoas que tiveram que deixar Netzarim", assentamento na Faixa de Gaza cuja população foi retirada em 2005, informou o ministério em comunicado.

 

O anúncio ocorre dias depois que a comunidade internacional, especialmente a União Europeia (UE) e os Estados Unidos, condenaram as últimas autorizações para a construção de casas no território palestino ocupado de Jerusalém Oriental.

 

Na semana passada foi anunciada a aprovação por parte do Ministério do Interior de planos para a construção de 1,6 mil casas na colônia judaica de Ramat Shlomo e, no início do mês, também foi aprovada a edificação de 930 casas em Har Homa.

 

A imprensa local também informou sobre os planos para a construção de outras 600 casas em Pisgat Ze'ev e de mais 2 mil em Givat Hamatos, também em Jerusalém Oriental, cidade que os palestinos reivindicam como a capital de seu Estado.

 

O assentamento de Ariel, no qual vivem mais de 17 mil colonos, fica localizado no distrito palestino de Salfit, ao sul de Nablus, e foi construído sobre terras desapropriadas por Israel em 1978 "sob o falso pretexto de necessidades militares", segundo a ONG israelense B'Tselem.

 

"O Governo coloca mais lenha na fogueira para setembro", mês em que os palestinos pretendem que a ONU reconheça o Estado Palestino e "se aproveita da crise da moradia em Israel para expandir os assentamentos", declarou à Agência Efe a diretora do departamento de acompanhamento dos assentamentos da ONG israelense Paz Agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.