Israel decide não responder "por enquanto" a ataque suicida

Israel desistiu de responder nesta quarta-feira com uma grande ofensiva militar ao ataque suicida perpetrado ontem por radicais palestinos e que resultou na morte de 20 pessoas, dando ao primeiro-ministro Mahmoud Abbas mais tempo para desarticular os grupos extremistas. Por sua vez, o grupo Hamas insistiu em que continua comprometido com a trégua. Por enquanto, Israel se limitou a suspender todos os contatos com a Autoridade Palestina e cancelou sua planejada entrega esta semana de duas cidades cisjordanianas, além de seu exército fechar os postos fronteiriços para isolar a Faixa de Gaza e a Cisjordânia.Na Faixa de Gaza, os líderes do Hamas reiteraram nesta quarta-feira que continuam comprometidos com a trégua unilateral de três meses declarada em 29 de julho pelo grupo junto com outras organizações ativistas, embora tenha advertido que se reserva o direito de vingar a morte de seus dirigentes em mãos das forças de segurança israelenses. O chefe da segurança palestino, Mohammed Dahlan, entrevistou-se com os comandantes palestinos em Gaza, mas a decisão sobre uma possível operação de busca contra os envolvidos no ataque não será adotada até esta noite, quando haverá uma reunião do gabinete palestino, disse o porta-voz de Dahlan, Elias Zananiri. Após a decisão do premier israelense, Ariel Sharon, e de outros funcionários da Defesa israelenses de lhe darem maior prazo para reprimir os extremistas, Dahlan ordenou a seus comandantes que permaneçam alertas diante da adoção de ?qualquer decisão que venha a ser adotada pela liderança política e a Autoridade Palestina contra os que participaram do ataque de ontem em Jerusalém?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.