Israel desafia plano de paz com ampliação de assentamento

Israel abriu concorrência pública para a expansão de um assentamento judaico na Faixa de Gaza - desafiando uma exigência do "roteiro para a paz", apoiado pelos Estados Unidos, de que devem ser suspensas construções em colônias judaicas. A concorrência, publicada num jornal pela Autoridade de Terras de Israel, prevê a construção de 22 novas unidades residenciais no assentamento de Neveh Dekalim e cumpre um passo-chave burocrático para a expansão de assentamentos. Foi a primeira concorrência do tipo para um assentamento em Gaza em cerca de dois anos. Palestinos e pacifistas israelenses criticaram a medida - que foi implementada depois de encontros recentes dos primeiros-ministros dos dois lados com o presidente americano, George W. Bush - , considerando-a um golpe nos nascentes esforços de paz. Israel alega que necessita promover algumas construções a fim de acomodar o crescimento natural dentro dos assentamentos. Mas o "roteiro para a paz", elaborado pelos Estados Unidos, União Européia, Nações Unidas e Rússia, diz que Israel tem de congelar "toda atividade de assentamento (inclusive crescimento natural de assentamentos)." O gabinete do primeiro-ministro Ariel Sharon aceitou o "roteiro para a paz" em maio, com reservas. Sharon afirma que não se pode esperar que Israel cumpra plenamente o "roteiro para a paz" até que os palestinos desarmem grupos militantes, como exigido no plano. Os palestinos argumentam que precisam de mais tempo para persuadir militantes a deporem as armas.

Agencia Estado,

31 Julho 2003 | 14h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.