Israel desiste de banir repórteres de flotilha

Governo havia ameaçado vetar a entrada de jornalistas que acompanharem frota rumo à Gaza

Roberto Simon, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2011 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL / JERUSALÉM - O início da jornada de uma nova flotilha rumo à Faixa de Gaza voltou a colocar Israel contra a parede. No domingo, o país ameaçou banir de seu território por dez anos repórteres estrangeiros que estiverem a bordo das embarcações. A declaração enfureceu organismos de defesa da liberdade de imprensa e, horas depois, autoridades israelenses viram-se forçadas a se retratar.

 

Veja também:

linkGabinete israelense aprova 'planos' para barrar flotilha para Gaza, diz imprensa

blog GUTERMAN: Israel dá importância a quem não tem

especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

forum TWITTER: Siga o repórter Roberto Simon, que está na região

 

O escritório de imprensa do governo enviou um e-mail a repórteres dizendo que a participação na flotilha "viola a lei israelense", cuja pena é a proibição de entrada no país por dez anos, além da apreensão de equipamento "e outras sanções". "Peço que evitem tomar parte desse evento provocador e perigoso", escreveu no e-mail o chefe da assessoria israelense, Oren Helman.

A Associação de Imprensa Internacional em Israel, horas depois, emitiu nota contra a mensagem. "Essa ameaça de punição a jornalistas que cobrem a flotilha levanta sérias questões sobre o compromisso de Israel com a liberdade de imprensa."

Navios que pretendem furar o bloqueio a Gaza já deixaram portos em três continentes e deverão se encontrar num ponto não divulgado do Mediterrâneo. De lá, navegarão rumo a Gaza. No ano passado, Israel conduziu uma desastrosa operação contra um barco turco que integrava a chamada "Flotilha da Liberdade". A ação deixou nove mortos.

Nos bastidores, autoridades israelenses admitiam ontem que o e-mail de Helman foi um "erro". A sanção seria a pena para qualquer pessoa que entra ilegalmente em Israel - status atribuído pela Justiça israelense àqueles que tentam furar o bloqueio a Gaza. "Não importa se mecânico ou jornalista", explicou uma fonte.

Segundo Moshe Yalon, um dos principais nomes do gabinete israelense, o premiê Binyamin Netanyahu discorda da mensagem. "Netanyahu escutou a notícia e pediu para o assunto ser reexaminado", disse Yalon. "Não há como parar a imprensa, mesmo se ela estiver a bordo. O melhor é não entrar em choque com ela."

Sem controle sobre Gaza, desde 2007 nas mãos do Hamas, a tradicional liderança palestina de Ramallah observa de longe o desgaste de Israel. Hanan Ashrawi, negociadora nos processos de paz dos anos 90 e hoje deputada, disse que a mensagem prova que o governo usa "censura". "Eles devem fazer algo simples: levantar o bloqueio", disse ao Estado.

PARA LEMBRAR

Em maio do ano passado, a Marinha israelense atacou em águas internacionais o navio turco Mavi Marmara, que integrava uma flotilha internacional que se dirigia à Faixa de Gaza com ajuda humanitária. Nove pessoas morreram na ação. O governo de Israel afirma que havia militantes turcos armados à bordo. A desastrosa operação militar, porém, foi bastante criticada pela comunidade internacional e aumentou os pedidos pelo fim do bloqueio ao território palestino, que desde 2007 está em poder do Hamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.