Israel desiste de limitar visitas a santuário no Ramadã

O governo de Israel não limitará o número de fiéis muçulmanos com acesso a um santuário, disputado por israelenses e palestinos, durante o mês sagrado islâmico de Ramadã, que começa nesta sexta-feira. "O primeiro-ministro (Ariel Sharon) aceitou os esclarecimentos... E não limitará o número de fiéis", informa o gabinete do premier. O santuário fica no topo de uma colina de Jerusalém, sagrada para muçulmanos e judeus. A Mesquita de Al-Aqsa, terceiro ponto mais sagrado do Islã, foi erguida sobre as ruínas de templos judaicos. A soberania do local é disputada por israelenses e palestinos. Os israelenses haviam dito que o santuário poderia desmoronar, por causa de um terremoto recente, mas autoridades islâmicas negaram o risco e disseram que Israel tentava garantir seu domínio político do local.

Agencia Estado,

14 Outubro 2004 | 14h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.