Israel destrói mercado de vegetais, delegacias e emissoras de TV

Uma unidade à paisana do Exército de Israel assassinou hoje dois palestinos suspeitos de militância em Tulkarem. Em Hebron, buldôzeres militares demoliram um mercado de vegetais, uma delegacia e emissoras de televisão palestinos. As operações israelenses fazem parte deuma ofensiva contra supostos militantes na Cisjordânia.Em Tulkarem, uma unidade disfarçada da guarda de fronteiramatou dois palestinos armados em um tiroteio ocorrido após umaperseguição de carro pelas ruas da cidade, informaram fontes.Em Hebron, soldados dispararam munições reais e balas deborracha contra palestinos que atiravam pedras e outros objetosdurante a demolição de mais de cem barracas de um mercado devegetais. Não há informações disponíveis sobre feridos nesteincidente. O Exército do Estado judeu recusou-se a comentar oepisódio.O Exército alega ter realizado a ofensiva em resposta a umasérie de emboscadas em Hebron. Desde 15 de novembro, 18israelenses foram mortos em ataques de supostos militantes naregião.As operações em Hebron ocorrem dois dias depois de oprimeiro-ministro Ariel Sharon ter vencido as eleições gerais nopaís.Na Faixa de Gaza, o Exército de Israel demoliu três casas emRafah nesta quinta-feira. Os militares também destruíram doisdutos que levam água a milhares de moradores palestinos,denunciaram testemunhas.Dezoito casas foram danificadas na operação, inclusive duasconstruídas por uma agência da Organização das Nações Unidas queajuda os palestinos. O Exército preferiu não comentar a operaçãoem Rafah.Num sinal de que prosseguirá com sua política dura contra ospalestinos, Sharon rejeitou uma sugestão do presidente daAutoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, para que osdois lados retomem as negociações de paz.Ontem, Sharon voltou a acusar Arafat de "encorajar"atentados contra israelenses. Ele disse que "não negociará compalestinos envolvidos em atos de violência".O ministro palestino Saeb Erekat denunciou hoje que a recusade Sharon em negociar com Arafat "reflete as políticas dopróximo governo de Israel - congelar o processo de paz,deteriorar a situação, ampliar a violência e tentar ditar em vezde negociar".Em Tulkarem, fontes hospitalares disseram que soldados àpaisana mataram Fayez Jaber, de 32 anos, líder local dasBrigadas dos Mártires de Al-Aqsa, uma milícia extremistaresponsável por diversos ataques contra israelenses.Fontes informaram que os dois palestinos mortos no incidentetentavam fugir em seu carro depois de perceberem que soldadosisraelenses disfarçados de palestinos estavam atrás deles emTulkarem. Segundo o Exército, seus agentes "responderam aostiros dos palestinos", matando os dois. Outros dez palestinosforam detidos na operação.Em Hebron, além de demolir o mercado de vegetais, os soldadosisraelenses fecharam três delegacias da cidade, informou KhaledMadoun, comandante policial palestino na região.O Exército de Israel acusa a polícia de ajudar militantes.Militares disseram ter encontrado uma bomba numa das delegacias.Os policiais informaram que a bomba estava lá porque foiapreendida numa operação recente.Madoun acusou os israelenses de libertarem criminosos detidosnas delegacias. O Exército, por sua vez, garante que as celasestavam vazias quando seus homens chegaram. Os militaresisraelenses ainda interrogaram 11 policiais palestinos antes deos libertarem.Segundo Madoun, Israel tem o objetivo de instalar mais caos edesespero nas áreas palestinas. "Faz parte da política deSharon destruir o pouco que resta da Autoridade Palestina emHebron, sua força policial", afirmou. "Os palestinos não podemmais nem sentirem-se seguros contra a criminalidade comum",denunciou.A polícia palestina foi estabelecida como parte de tratados depaz assinados em 1995. Nos últimos 28 meses de conflito,soldados israelenses atacaram em diversas ocasiões asinstalações da polícia palestina em retaliação a atentados.Israel acusava os policiais de participarem de ataques ou nãofazerem nada para contê-los.Os palestinos, por sua vez, garantem que as ações israelensescontra sua polícia têm o objetivo de desmantelar a ANP.Os soldados israelenses também fecharam duas emissoras locaisde televisão e uma de rádio. O Exército não informou o motivopelo qual fechou as emissoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.